LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Brasil: Alunos mostram professora a fazer saudação nazi durante aula em colégio católico 11 Outubro 2022

A intolerância ideológica na sociedade brasileira terá chegado à escola, como se extrai do caso da professora despedida por alegamente ter sido ’apanhada’ em vídeo a fazer a saudação nazi. A docente de redação filmada num colégio católico do Paraná afirma-se contrária ao nazismo e que o filme é uma montagem por alunos politicamente motivados.

Brasil: Alunos mostram professora a fazer saudação nazi durante aula em colégio católico

O vídeo online parece mostrar a professora a fazer uma continência e depois estender a mão direita para a frente. O gesto é identificado com a saudação em uso entre os nazis durante os anos em que Adolf Hitler esteve no poder nos anos de 1930 e 1940. Uma época marcada por violências que mataram milhões de pessoas — mais do que o genocídio contra mais de seis milhões de judeus que tem sido destacado em todas as narrativas.

Em declarações à imprensa, o advogado da professora negou taxativamente a alegada saudação nazista: afirmou que a professora põe música no fim da aula, que encerra assim de modo mais descontraído.

A docente de redação, segundo o seu advogado, é contrária ao nazismo. O que aparece no filme com uma saudação nazi, sustenta, é uma montagem por alunos do último ano do ensino médio (equivalente ao 12º ano) politicamente motivados. Recorde-se que no Brasil quem tem 16 e 17 anos pode votar (facultativamente, já que só a partir dos 18 o voto é obrigatório).

Contudo a mesma defesa repete que a contiinência foi feita, sim, à bandeira verde-amarela.

Sobre o uso de símbolos — camisola e crachás — em apoio ao candidato Bolsonaro, a defesa tem uma versão própria diferente da instituição. O advogado afirmou que é um direito da profissional, "já que a manifestação política é livre para todos".

Escola defende ’postura neutra politicamente’

Sobre o uso de crachás em apoio ao candidato à reeleição, a instituição afirmou que exige aos seus profissionais uma "postura neutra".

Em comunicado à imprensa nesta segunda-feira, a direção do colégio católico do Paraná afirma: "A orientação que a escola dá é a seguinte: que todos tenham uma postura neutra politicamente e respeitosa na sala de aula e também fora da sala de aula. Não é a postura da escola, não concordamos com o que aconteceu, foi um erro".

"Em respeito à nossa comunidade escolar, Pais, Alunos e a todos que interesse tiverem sobre o ocorrido com uma de nossas professoras da 3ª Série do Ensino Médio, afirmamos que não compactuamos e não concordamos com a postura da Professora e também repudiamos qualquer manifestação alusiva ao teor do vídeo", remata a diretora-geral, Irmã Edites Bet.

O caso seguiu esta semana para o Ministério Público.

Fontes: Globo/band.uol.com.br/Folha.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project