LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Brasil/Eleições: Mandamentos do ‘mito’ continuam a ser pregados à espera de uma intervenção militar 02 Novembro 2022

Milhares de pessoas concentraram-se hoje em frente ao quartel do exército em Brasília, num apelo para à intervenção militar para tirar ‘o comunismo’ do país, e continuaram a pregar os mandamentos do seu ‘mito’.

Brasil/Eleições: Mandamentos do ‘mito’ continuam a ser pregados à espera de uma intervenção militar

Tendas montadas, venda de camisolas da seleção brasileira, a maioria com o número 10 do bolsonarista assumido Neymar, bandeiras brasileiras e milhares de pessoas a alternarem entre cânticos do hino e apelos à intervenção militar era o cenário vivido em frente ao Quartel-general do Exército Forte Caxias, no coração da capital do país.

Alessandra, de 44 anos, encontra-se no jardim em frente ao quartel num acampamento desde terça-feira e conta à Lusa que decidiu vir “para lutar pela liberdade” do seu país porque não quer o comunismo que Lula da Silva trará ao Brasil.

A brasiliense não tem dúvidas: as eleições presidenciais de domingo que deram a vitória a Lula da Silva foram fraudulentas e agora espera pelo relatório feito pelas forças armadas para que ‘a verdade’ seja restabelecida.

“Pretendo ficar aqui enquanto não for decidido. A minha tenda vai ficar aqui e a barraquinha também”, prometeu.

Mais de 50 manifestações em frente a quartéis foram agendadas através das redes sociais num apelo ao Exercito para intervir num resultado que já foi aceite pela esmagadora maioria dos proeminentes apoiantes do Presidente brasileiro, da comunidade internacional, do Supremo Tribunal Federal, sendo que até o próprio Jair Bolsonaro, sem o mencionar verbalmente, já deu autorização para o início do processo de transição da pasta.

Contudo, em frente ao Quartel-general do Exército Forte Caxias ninguém acredita nisso e prometem lutar até ao fim.

O nosso objetivo é que o nosso país seja livre, nós estamos na iminência de um futuro comunista”, afirmou à Lusa, Liza, numa cópia do discurso repetido de forma constante por Jair Bolsonaro durante a campanha.

Quem manda é o povo, lembrou, dizendo contudo que é necessário mais que isso: “nós precisamos também das forças armadas para ajudar a gente

O slogan em todas as manifestações bolsonaristas espalhadas pelo Brasil foi o mesmo: "Intervenção federal", ao abrigo do artigo 34 da Constituição nacional, que declara num dos seus pontos que o governo central pode intervir, se necessário e por qualquer meio possível, para garantir a "forma republicana, o sistema representativo e o regime democrático".

À Lusa, Ronaldo Sales, de 52 anos, frisou que quem aqui está neste chamamento em luta pela liberdade e contra o comunismo são “pessoas de bem, de família, trabalhadoras, não tem nenhum vagabundo, como a midia das trevas tem dito por aí”.

Homens e mulheres cristãos que querem o bem, que não apoiam ideologia de género, que não apoiam roubalheira e são a favor da moral de deus”, continuou o homem que se identificou como pastor e oficial reformado numa quase réplica do que foi a tónica da campanha de Bolsonaro em relações aos costumes conservadores.

Ronaldo Sales recorda a declaração de terça-feira de Jair Bolsonaro de que este “agiu sempre dentro das quatro linhas”, mas que desta vez é preciso mais: “Estamos pedindo uma intervenção para que seja feito uma lisura no processo eleitoral”

Estou preparado até à hora que o movimento estiver acontecendo”, prometeu.

A mesma promessa foi feita à Lusa pelo manifestante António: “ficar aqui enquanto eu puder e vou voltar quantas vezes forem necessárias porque o que está em jogo aqui é a liberdade

Estamos assustados com o que está acontecendo com as instituições do nosso país e temos poucos defendendo com coragem”, à exceção de Jair Bolsonaro, disse, reforçando que é por isso necessário a “intervenção federal das forças militares”.

Na verdade é o nosso último recurso da ditadura de esquerda”.

Marilene, de 45 anos, pediu à Lusa para falar e dizer que está ali não em representação do Presidente mas sim do povo e para “que as forças armadas entrem com o papel deles, que é entrar no STF, no Congresso Nacional e tomar posse daquilo que está lá dentro roubando o povo”.

Em paralelo, prosseguiram durante o dia de hoje os bloqueios em cerca de 150 pontos em 15 dos 27 estados do país e em muitos casos foram apenas parciais, obstruindo mas não bloqueando completamente o tráfego.

O protesto dos camionistas começou a perder intensidade depois de Bolsonaro ter concedido a derrota e determinado que o Governo iniciaria o processo de transição com a equipa de Lula, que está agendado para quinta-feira.

Bolsonaro fez uma declaração sobre o resultado das eleições na terça-feira, cerca de 45 horas após a contagem oficial ter condenado a vitória do líder progressista.

Num breve discurso, disse que os protestos foram "o resultado da indignação e de um sentimento de injustiça pela forma como decorreu o processo eleitoral".

Disse que as "manifestações pacíficas" eram "bem-vindas", mas reforçou que os seus métodos "não podem ser os da esquerda, que sempre prejudicaram a população", e salientou que ninguém pode impedir "o direito de ir e vir".

Bolsonaro apela aos manifestantes que desbloqueiem as estradas

Entretanto, o derrotado Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, apelou hoje aos seus apoiantes que desobstruam as estradas do país de forma a não perderem a "legitimidade".

"Eu quero fazer um apelo a você, desobstrua as rodovias. Isso daí não faz parte, no meu entender, dessas manifestações legitimas. Não vamos perder nós aqui a nossa legitimidade", disse Bolsonaro, num vídeo gravado e partilhado nas redes sociais.

"O fechamento de rodovias pelo Brasil prejudica o direito de ir e vir das pessoas, está lá na nossa Constituição. E nós sempre estivemos dentro dessas quatro linhas. Eu tenho que respeitar o direito de outras pessoas que estão se movimentando, além de prejuízo a nossa economia", insistiu.

Afirmando que está "tão chateado, tão triste" como os manifestantes e reforçou que ao longo dos quatro anos que esteve no poder colaborou para “ressurgir o sentimento patriótico, amor à pátria”.

"Não vamos jogar isso fora. Vamos fazer o que tem que ser feito. Estou com vocês e tenho certeza que vocês estão comigo", disse.

"Vamos desobstruí-las para o bem da nossa nação e para que possamos continuar lutando por democracia e por liberdade”, frisou.

Hoje, para além das dezenas de manifestações em frente a quartéis brasileiros num apelo a uma intervenção militar para reverter o resultado eleitoral, seguiram-se a protestos maciços de camionistas alinhados com o pró-Bolsonarismo, que desde segunda-feira bloquearam cerca de 600 autoestradas em todo o país para protestar contra a vitória de Lula.

Bolsonaro, na terça-feira, que na sua primeira declaração pública após a derrota no domingo já tinha apelado, mesmo que timidamente, ao cancelamento destes protestos nas estradas viu-se assim obrigado a reforçar este apelo.

Hoje, de acordo com a Polícia Rodoviária, os bloqueios persistiram em cerca de 150 pontos em 15 dos 27 estados do país e em muitos casos foram apenas parciais, obstruindo mas não bloqueando completamente o tráfego.

Com 100% dos votos contados, Luiz Inácio Lula da Silva ganhou as eleições presidenciais de domingo por uma margem estreita, recebendo 50,9% dos votos, contra 49,1% para Jair Bolsonaro, que procurava um novo mandato de quatro anos.

Lula da Silva assumirá novamente a presidência do Brasil em 01 de janeiro de 2023 para um terceiro mandato, após ter governado o país entre 2003 e 2010. A Semana com Lusa

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project