LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Brasil/Eleições: Vitória de Lula da Silva vai trazer política externa “mais alinhada” com a China – analista 08 Novembro 2022

O analista chinês Zhou Zhiwei considera que a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva vai contribuir para “melhorar significativamente” os laços entre Brasil e China e colocar a politica externa dos dois países em “sintonia”.

Brasil/Eleições: Vitória de Lula da Silva vai trazer política externa “mais alinhada” com a China – analista

Zhou Zhiwei, diretor do Centro de Estudos Brasileiros da Academia Chinesa de Ciências Sociais, um grupo de reflexão (‘think tank’) sob tutela do Governo chinês, previu relações políticas mais “calorosas”, depois de estas terem “arrefecido”, durante a presidência “ideologicamente” anti-China de Jair Bolsonaro.

“Depois de Lula assumir o cargo, com base na sua identidade de esquerda e uma atitude amigável em relação à China no passado, as relações políticas vão melhorar muito”, afirmou.

O analista destacou o “multilateralismo”, a “cooperação Sul – Sul” e a “promoção da reforma do sistema de governação internacional” como prioridades diplomáticas de Lula que convergem com os objetivos de Pequim.

“Estes [objetivos] têm muito em comum com a visão externa da China”, realçou. “A cooperação China - Brasil é crucial para manter uma ordem multipolar e unir os países em desenvolvimento”.

Lula venceu as eleições de domingo por pouco mais de dois milhões de votos sobre o governante de extrema-direita Jair Bolsonaro.

Durante os primeiros dois mandatos de Lula, entre 2003 e 2011, a relação comercial e política entre Brasil e China intensificou-se, marcada, em particular, pela constituição do bloco de economias emergentes BRICS, que inclui ainda Rússia, Índia e África do Sul.

O líder chinês, Xi Jinping, deu os parabéns a Lula pela vitória nas eleições presidenciais. A “amizade de longa data entre China e Brasil conduz à manutenção da paz e estabilidade regional e mundial e à promoção do desenvolvimento e da prosperidade comuns”, apontou Xi, numa mensagem enviada ao presidente eleito.

A relação entre Pequim e Brasília arrefeceu, no entanto, durante o mandato de Bolsonaro, que assumiu o poder com a promessa de reformular a política externa brasileira, com uma reaproximação aos Estados Unidos, e pondo em causa décadas de aliança com o mundo emergente. O ex-ministro dos Negócios Estrangeiros do Brasil, Ernesto Araújo, que foi entretanto substituído, adotou mesmo uma retórica hostil face à China.

O governo de Lula vai, porém, coincidir com um Congresso dominado por forças de direita.

Zhou desvalorizou a importância da composição do Congresso para a política externa do Brasil, lembrando que quem tem tomada de decisão na diplomacia chinesa é o chefe de Estado e o Itaramaty, o ministério dos Negócios Estrangeiros brasileiro.

“Do ponto de vista do mecanismo de tomada de decisões políticas, o Congresso tem uma influência direta limitada nas relações externas”, observou.

O analista lembrou ainda que, apesar da posição ideológica assumidamente anti-China de algumas forças políticas conservadoras, “muitos grupos de direita no Brasil são os reais beneficiários da cooperação” entre os dois países.

“Por exemplo, os grupos agrícolas e pecuários, representados pelos partidos de direita brasileiros, obtêm lucros significativos nas trocas económicas e comerciais China – Brasil”, realçou.

Desde 2009, a China é o principal parceiro comercial do Brasil, com o comércio bilateral a passar de 9 mil milhões de dólares, em 2004, para 135 mil milhões, em 2021. Nos últimos anos, a participação da China nas exportações do Brasil superou os 30%, à boleia do apetite do país asiático por matérias-primas, sobretudo soja e minério de ferro.

Entre 2007 e 2020, a China investiu, no total, 66 mil milhões de dólares no Brasil.

A Semana com Lusa

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project