LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Brasil-Presidencial 2022: Bolsonaro "em encontro nacional" do PL afirma que disputa política é do "bem contra o mal" 27 Mar�o 2022

O presidente Jair Bolsonaro ultrapassado nas sondagens por Lula, 44%-26%, afirmou no encontro este domingo do seu (novo) partido, o PL-Partido Liberal, que a disputa política no país não é da esquerda contra a direita, mas do "bem contra o mal".

Brasil-Presidencial 2022: Bolsonaro

Bolsonaro disse ao longo da semana passada que seria um evento de lançamento da sua pré-candidatura à reeleição. Contudo, oficialmente, ao longo do seu discurso de 28 minutos, segundo a Globo, não fez qualquer menção direta à sua pré-candidatura.

O presidente cessante fez em quase meia hora de discurso, a defesa dos mesmos temas: o combate à corrupção, a defesa de valores tradicionais que passa pela liberalização de armas ao "cidadão do Bem".

Bolsonaro insiste em minimizar as sondagens que o põem muito atrás do ex-presidente Lula. Voltou a afirmar: "Uma sondagem mentirosa publicada mil vezes não fará um presidente".

Em breves palavras, o presidente do PL — que na abertura do encontro, para evitar ser penalizado de pré-campanha ilegal, apresentou como um evento para angariar associados — tratou Bolsonaro, o novo filiado desde 22-11-2021, como "futuro presidente pelo segundo mandato".

O Partido Liberal fundado em 2006 é presidido por Valdemar Costa Neto, de 72 anos, administrador de empresas e ex-deputado federal por São Paulo. Renunciou ao fim de seis mandatos, por ter sido condenado à prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no âmbito do esquema "mensalão".

A aproximação de Bolsonaro ao PL, seis meses antes da filiação, surgiu depois que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva expressou interesse em ter como seu vice-presidente o empresário Josué Alencar, também filiado ao PL, numa repetição da aliança que o petista fez com o pai, José Alencar.

Urnas eletrónicas

Bolsonaro voltou a levantar suspeitas sobre o sistema de contagem de votos do TSE-Tribunal Superior Eleitoral, dando como exemplo a eleição de Dilma que teve "tanto voto dentro do TSE" em 2014.

Por este tipo de ataques repetidos e sem provas às urnas eletrónicas, Bolsonaro é alvo de investigações na Justiça. Ele já afirmou, em uma de suas lives, que não tem provas para apresentar. Especialistas e autoridades reforçam que as urnas são seguras e que o voto é auditável.

Novo partido


A "surpreendente" associação de Bolsonaro ao Partido Liberal explica-se pelo fracasso no lançamento, em novembro de 2019, do partido de iniciativa presidencial ApB-Aliança pelo Brasil (no qual o filho mais novo, o zero-quatro Renan, então de 21 anos, despontava como prospetivo político já que foi eleito vogal).

Fundado por Bolsonaro e os quatro filhos ("homens"), o partido que pretendia defender os valores "Deus, Pátria, Família" — o mesmo slogan originalmente usado pela AIB-Ação Integralista Brasileira, movimento pró-fascista que atuou no Brasil na década de 1930 — não chegou a legalizar-se e teve existência curta.

Fontes: Globo/Arquivo... Relacionado: (’Aliança pelo Brasil’ partido ainda sem legalizar, 25.nov.019). Foto (YouTube): Encontro este domingo 27 do PL evitou mencionar candidatura presidencial para não infringir lei eleitoral.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project