AMBIENTE

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Brava: Biflores e Projecto Vitó unidos na conservação da flora endémica da região Fogo e Brava 24 Mar�o 2022

A associação Projecto Vitó do Fogo e a Biflores da ilha Brava encontram-se unidas no processo de conservação da flora endémica da região Fogo e Brava, como forma de obter resultados “positivos” já que lutam pela mesma causa.

Brava: Biflores e Projecto Vitó unidos na conservação da flora endémica da região Fogo e Brava

Em declarações à imprensa geógrafo e técnico coordenador do projecto de conservação de plantas endémicas na região Fogo e Brava na associação Projecto Vitó, Adilson Gonçalves, explicou que se encontra na ilha Brava juntamente com mais dois técnicos e um viveirista, para passar aos técnicos da Biflores a experiência da colecta de sementes das plantas endémicas e todo o processo a ser seguido.

Segundo a mesma fonte, o foco são as plantas endémicas e, dependendo da quantidade de sementes que conseguirem recolher, vão tentar reproduzi-las nos viveiros, realçando que “a maioria das espécies encontram-se no período de extinção”.

Daí, o objectivo é replicar no viveiro e depois colocar no terreno, principalmente nas áreas mais degradadas.

Quando estiver plantado no terreno, Adilson Gonçalves realçou que vai requerer uma certa conduta por parte dos bravenses e, neste sentido, enfatizou que a Biflores vai organizar com o Projecto Vitó e as comunidades locais e dirigir acções de sensibilização “principalmente” para os pastores, uma vez que a Brava não possui uma área protegida, o que torna “mais difícil controlar o pastoreio livre”.

Por seu turno, Dilma Lopes, bióloga e técnica do projecto terrestre da Biflores destacou que as duas ONG possuem as mesmas áreas de intervenção e “em sintonia conseguem obter uma maior produtividade”.

Dilma Lopes avançou que o Projecto Vitó já possui experiência na produção de plantas endémicas no viveiro, destacando que é costume produzir grande quantidade de plantas, “suficiente para ter uma boa biodiversidade terrestre”.

Já na Biflores ainda não possuem esta experiência da produção de grande quantidade de plantas endémicas tendo recorrido ao apoio da equipa do Projecto Vitó e um viveirista.

A produção destas plantas vai ser feita num processo que se inicia desde a recolha de sementes no terreno, tratamento, depois a preparação do solo, enchimento dos vasos e depois o recrutamento de voluntários na Brava, como forma de envolver a comunidade. A Semana com Inforpress

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project