INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Burundi: Ex-colónia pede 36 bnE de reparação à Alemanha e Bélgica 17 Agosto 2020

A República do Burundi, no centro-leste africano, está a pedir às duas ex-potências coloniais europeias 36 mil milhões de euros, a título de indemnização pelos prejuízos causados por mais de sete décadas de colonização. Além desse montante, calculado por uma comissão dirigida pelo Senado, o Burundi exige "a devolução do património histórico e cultural roubado".

Burundi: Ex-colónia pede 36 bnE de reparação à Alemanha e Bélgica

O pedido inédito — noticiado no domingo 16 — surge pouco mais de um mês do também inédito pedido de perdão aos congoleses pelo chefe de Estado belga. Em 30 de junho, por ocasião do sexagésimo aniversário da independência do Congo, o rei Philippe em carta ao presidente Félix Tshisékedi pediu perdão pela "colonização brutal" iniciada pelo seu antepassado, o rei Leopoldo.

Independente da Bélgica em 01 de julho de 1962, o ainda Reino do Burundi foi primeiro colonizado pela Alemanha durante cerca de 60 anos — desde que em 1885, na Conferência de Berlim, o território foi atribuído ao Reino da Prússia. Com a derrota alemã na Segunda Guerra, os Aliados entregaram a colónia ao Reino da Bélgica.

A independência do Burundi há 58 anos deu-se com os belgas a entregarem o país à monarquia tutsi, em detrimento dos hutus. Seguiu-se a luta pelo poder transformada em conflito étnico que abrange toda a sociedade.

Em 1966, ano seguinte a uma rebelião hutu esmagada pelo governo, dá-se a proclamação da República do Burundi através de um golpe de Estado liderado por Michel Micombero, que assume a presidência e a chefia do governo.

Registam-se nas duas décadas seguintes dezenas de milhares de mortes, causadas por uma sucessão de golpes de Estado e perseguição aos hutus.

Morreram mais de 200 mil pessoas na guerra civil entre hutus e tutsis iniciada em 1993, quando oficiais tutsis fuzilaram o primeiro presidente democraticamente eleito, o oposicionista hutu Melchior Ndadaye, no cargo havia quatro meses.

A guerra, que dura até hoje, fez ainda mais de 1 milhão de refugiados nos países vizinhos.

Fontes: RFI/ AFP/DW.de/... Foto (Arquivos Históricos/Getty): Festejos da independência do Burundi em 1962.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project