LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

CPLP pede envolvimento de Países lusófonos no apoio a Moçambique 20 Mar�o 2019

O secretariado-executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) apelou esta terça-feira, 19, para a concertação de esforços dos países da organização no apoio às populações afetadas pelo Ciclone Idai, que causou pelo menos 84 mortos em Moçambique.

CPLP pede envolvimento de Países lusófonos no apoio a Moçambique

De acordo com a organização,e citado pela Agência Lusa, o secretário-executivo, Francisco Ribeiro Telles, está em contacto com a Presidência cabo-verdiana da CPLP, no sentido de se concertarem esforços dos nove Estados-membros para a ajuda e assistência às populações afetadas.

A mesma fonte revela que Ribeiro Telles transmitiu às autoridades moçambicanas "profundo pesar pela situação verificada nas regiões do centro e do norte do País" e manifestou a sua solidariedade para com o povo daquele País sul africano.

Refere-se que a passagem do Ciclone Idai em Moçambique, Maláui e Zimbabué provocou, pelo menos, 222 mortos, segundo balanços provisórios divulgados pelos respetivos governos nesta segunda-feira, tendo mais de 1,5 milhões de pessoas sido afetadas pela tempestade naqueles três Países africanos.

Já o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, garantiu que o Ciclone poderá ter provocado mais de mil mortos em Moçambique, estando confirmados, atualmente cerca de 84, conforme escreve Lusa.

Recorde-se que o Idai, com fortes chuvas e ventos de até 170 quilómetros por hora, atingiu a Beira (centro de Moçambique) na quinta-feira à noite, deixando os cerca de 500 mil residentes na quarta maior cidade do país sem energia e linhas de comunicação. Entretanto, estimativas iniciais do Governo de Maputo apontam para 600 mil pessoas afetadas, incluindo 260 mil crianças.

No Zimbabué, as autoridades contabilizaram, pelo menos, 82 mortos e 217 desaparecidos, bem como cerca de 1.600 casas e oito mil pessoas afetadas no distrito de Chimanimani, em Manicaland.

No Maláui, as estimativas do Governo apontam para, pelo menos, 56 mortos e 577 feridos, com mais de 920 mil pessoas afetadas nos 14 distritos atingidos pelo ciclone, incluindo 460 mil crianças.

De ressaltar, que a CPLP é constituída por nove países, nomeadamente Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor Leste. "Cabo Verde assume actualmente, e por dois anos, a presidência rotativa da organização. Jorge Carlos Fonseca já apelou a todos os estados membros da organização para porem em marcha uma ampla campanha para mobilização de meios em solidariedade aos desalojados referidos e para a reconstrução das zonas afectadas pela passagem do ciclone Idai em Moçambique.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau

blogs

publicidade

Newsletter

Abonnement

Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project