AMBIENTE

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Cabo Verde registou um aumento de 198.787 ninhos de tartaruga em 2020, disse Alexandre Nevsky 24 Maio 2021

Cabo Verde contabilizou, em 2020, 198.787 ninhos de tartaruga e registou uma diminuição da taxa de captura à volta de 1,54 por cento (%), disse, este domingo, à Inforpress o director nacional do Ambiente, Alexandre Nevsky.

Cabo Verde registou um aumento de 198.787 ninhos de tartaruga em 2020, disse Alexandre Nevsky

Em entrevista à Inforpress para falar sobre a situação da caça de tartarugas e a fiscalização, no âmbito do Dia Internacional da Tartaruga que se assinala hoje, 23 de Maio, o director nacional do Ambiente avançou que considera a sensibilização e fiscalização como as “armas” mais poderosas para dar combate à captura e ao consumo da tartaruga.

“Normalmente as legislações servem para combater determinados actos e, nesta matéria, além de penalizar temos é de reforçar a sensibilização e informação junto das pessoas e nas escolas, para que entendam que uma tartaruga viva terá muito mais valor, a longo prazo, do que uma morta”, afirmou, lembrando às pessoas o valor da tartaruga no ecossistema.

Conforme disse, o trabalho de informação e sensibilização, apesar de surtir efeito deve ser reforçado por forma a se garantir que quem esteja a infringir seja apanhado e enquadrado de acordo com a legislação existente sobre a matéria.

Nesta linha de ideias realça o trabalho que a Polícia Nacional tem feito, nesta matéria, apesar de considerar difícil chegar-se ao consumo zero tartarugas.

“Para alcançarmos este propósito temos de trabalhar com as escolas para que possamos ter uma geração que verá, como pouco natural, consumir carne de tartaruga”, prosseguiu, informando por outro lado, que a fiscalização da espécie é garantida pelas comunidades, pescadores e associações locais.

No caso da fiscalização, explicou que têm sido realizadas saídas ocasionais com a polícia, numa óptica mais preventiva, havendo em algumas praias uma vigilância contínua dos militares.

“A nova legislação, relativamente às campanhas, trouxe-nos uma nova realidade com aumentos de ninhos monitorizados que nos indicam que em 2015 foram identificados 10.725 ninhos em todo o território, em 2018 cerca de 189.196 e em 2020 foram identificados 198.787 ninhos”, disse reforçando a ideia da sensibilização para que a nova geração tenha uma outra mentalidade sobre comer carne de tartaruga.

Segundo Alexandre Nevsky, dados disponíveis mostram que o reforço das campanhas de monitorização das tartarugas nas praias, diminui a taxa de captura que, em 2015, era de 8,25% e em 2020 passou para 1,54%.

Em Cabo Verde, segundo disse, a população de tartarugas marinhas mais predominante é a “Caretta Caretta”, a que mais de perto de monitoriza por fazer do espaço nacional o seu local de desova, embora se contabiliza, também, uma dezena de tartarugas verde.

A desova das tartarugas acontece nas ilhas da Boa Vista, Sal, Maio e os ilhéus, mas 90% da desova no país acontece na ilha da Boa Vista.

O Dia Mundial da Tartaruga assinala-se a 23 de Maio e tem como propósito chamar a atenção para o perigo de extinção das tartarugas e cágados de todo o mundo e aumentar o conhecimento da população sobre estes animais.

A tartaruga é um réptil que possui uma concha característica nas suas costelas, utilizada como protecção. Este animal existe há 200 milhões de anos, sendo uma das criaturas mais antigas do mundo, mas encontra-se em risco, dada a destruição do seu habitat natural, o “cruel” comércio animal e a indústria da comida exótica.

Além dessa data, há também o Dia Mundial da Tartaruga Marinha, celebrado em 16 de Junho e tem como propósito promover o conhecimento sobre esses animais além de alertar para sua preservação

A cada 1.000 ovos colocados por uma tartaruga em fase de reprodução, 800 chocam. Das 800 tartaruguinhas que nascem, apenas 400 chegam ao mar, já que encontram obstáculos diversos no caminho ou são comidas por caranguejos, aves e outros animais.

As que chegam ao mar trocam um conjunto de perigos por outro: podem ser comidas por golfinhos, tubarões, uma variedade de peixes e até aves marinhas, já que precisam subir para a superfície para respirar. A Semana com Inforpress

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project