ACTUALIDADE

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Caso Alex Saab: Ordem dos Advogados de África aconselha Cabo Verde a libertar “imediatamente” Enviado Especial da Venezuela 02 Mar�o 2021

A Ordem dos Advogados de África aconselhou o Governo de Cabo Verde a respeitar o Estado de Direito e libertar “imediatamente” Alex Saab, sob pena de serem exigidas sanções contra o País à CEDEAO, UA e ONU.

Caso Alex Saab: Ordem dos Advogados de África aconselha Cabo Verde a libertar “imediatamente” Enviado Especial da Venezuela

Este ultimato foi dado pela Ordem dos Advogados de África (OAA) através de um comunicado de imprensa, a que a Inforpress teve acesso hoje, na sequência de uma investigação feita pelo Comité dos Direitos Humanos e o Conselho Executivo a pedido dos familiares do venezuelano que, alegam, está detido ilegalmente em Cabo Verde.

“O resultado da investigação revela infracções muito graves aos protocolos da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, à Carta da União Africana, graves violações do direito internacional, abuso dos direitos humanos e desobediência às ordens judiciais por parte do Governo de Cabo Verde”, lê-se no comunicado.

Assim, aconselham o Governo de Cabo Verde a seguir a “linha da legalidade, respeitar o Estado de Direito e libertar imediatamente Alex Saab”, para que este continue com a sua missão legítima.

Se Cabo Verde não seguir este caminho de legalidade, advertiu, a Ordem dos Advogados de África pode ser obrigada a exigir sanções abrangentes contra o País por parte da CEDEAO, da UA e da ONU, prossegue a Inforpress.

Para a mesma fonte, a detenção de Alex Saab, no passado dia 12 de Junho de 2020, é ilegal pelo facto de, no momento da detenção, o alerta vermelho não tinha sido emitido e só foi emitido no dia 13 de Junho.

“O alerta vermelho foi cancelado a 25 de Junho de 2020, mas Cabo Verde continuou a deter ilegalmente o embaixador Saab até que um pedido de extradição dos Estados Unidos chegou uma semana mais tarde. O pedido de extradição, que tinha as três primeiras páginas em falta, continha uma cópia do mandado de detenção emitido em nome de outra pessoa e não do embaixador Saab”, denunciou.

Outro motivo que leva a ordem a considerar a detenção do venezuelano de ilegal é porque este goza de imunidade e inviolabilidade devido ao seu estatuto de enviado especial da Venezuela.

A Ordem dos Advogados de África contesta ainda o facto de Cabo Verde ter alegado que não está vinculado pela decisão do Tribunal da CEDEAO, porque não assinou o protocolo de 2005 que alargou a autoridade do Tribunal para julgar casos de direitos humanos.

O mesmo diz que o arquipélago nomeou juízes para o Tribunal da CEDEAO e o presidente do Supremo Tribunal do país é um membro do Comité Judicial da Comunidade da CEDEAO.

Além disso, informou, Cabo Verde envolveu-se plenamente nos procedimentos do Tribunal da CEDEAO, nomeando um advogado de defesa, Henrique Borges.

Ainda o País esteve representado na oitava sessão da Autoridade de Chefes de Estado e de Governo da CEDEAO, realizada em Acra a 19 de Janeiro de 2005, pelo seu antigo primeiro-ministro, José Maria Pereira Neves, que, de acordo com o Artigo 79(2) da Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados (1969), foi considerado o terceiro autorizado para exercer a sua função em nome de Cabo Verde.

Conforme o cumunicado referido, a Ordem dos Advogados de África é de opinião de que as decisões administrativas e judiciais tomadas por Cabo Verde para extraditar Alex Saab para os EUA “não estão em conformidade” com as disposições da Carta Africana dos Direitos Humanos e dos Povos, nem com o direito Internacional Consuetudinário.

A mesma fonte acusa Cabo Verde de não cumprir com a decisão vinculativa do Tribunal de Justiça da CEDEAO, de 02 de Dezembro de 2020, que ordenou a suspensão imediata da extradição.

“As acções de Cabo Verde são mais acentuadas pelo facto de o embaixador Saab ter sido nomeado representante permanente Alterno da Venezuela junto da União Africana a 24 de Dezembro de 2020”, disse, informando que o Venezuelano está duplamente protegido pelo Direito Internacional na qualidade de Enviado Especial da Venezuela e como Representante Permanente Alterno da Venezuela junto da União Africana.

Neste sentido, a Ordem apela ao presidente da Comissão da União Africana a tomar “medidas imediatas” para assegurar que os privilégios diplomáticos dos diplomatas africanos não sejam postos em perigo, uma vez que Saab está actualmente detido num país africano.

Segundo o mesmo comunicado, o comportamento “ilegal” do Governo cabo-verdiano pode não só “desacreditar” a CEDEAO e a UA, mas também abrir o caminho para os “grandes países violarem o estatuto diplomático” dos diplomatas africanos, conclui o documento citado pela Inforpress.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project