Legislativas 2021

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Caso de chegada de um dos 11 aviões prometidos: PAICV desmonta tratar-se de cena de teatro na reta final da campanha 15 Abril 2021

O PAICV desmonta o anúncio da chegada, esta quarta-feira, à Praia, de um dos 11 Boeings que o governo de Ulisses Correia e Silva prometeu trazer até 2019 para a Cabo Verde Airlines (CVA), sucessora da TACV privatizada por 48 mil contos, que alegadamente não entraramm ainda nos cofres do Estado. O protesto é do candidato a deputado por Santiago Sul, Fidel Cardoso de Pina, para quem tudo não passa de «cena de teatro» para enganar os leitores nesta reta final da campanha eleitoral para as legislativas de 18 de Abril.

Caso de chegada de um dos 11 aviões prometidos: PAICV desmonta tratar-se de cena de teatro na reta final da campanha

«O PAICV denuncia estas manobras, a todo título irresponsável, uma autêntica cena de teatro, e espera que as autoridades desta Terra venham a agir para defender os interesses de Cabo Verde e dos cabo-verdianos», exige o jovem político.

Segundo fundamenta, mais uma vez o Governo do MpD promove arranjos em plena campanha eleitoral que não acautelam os interesses nacionais e que prejudicam claramente a Cabo Verde e os seus filhos. «Todos estão lembrados também dos compromissos do Governo, nas palavras do Vice-primeiro-ministro Olavo Correia, de trazer para a companhia, até final de 2019, 11 boeings para operar nas linhas que alimentavam e viabilizavam o hub do Sal. Hoje, sem nenhum avião e sem hub, o Governo contempla-nos com mais esta operação de alto risco só para tentar tirar proveito da sua presença, totalmente inútil nestas circunstâncias, nestas campanhas eleitorais que não tem corrido de feição ao MPD», sustenta.

Para Fidel Cardoso de Pina, as peripécias deste negócio desastroso só têm dado dores de cabeça e prejuízos tanto ao Governo como aos cabo-verdianos que vão ter que assumir todas perdas provocadas pela atitude irresponsável daqueles que governam o país, ainda, neste momento. «Neste negócio apenas ganham aqueles que compraram os TACV e ainda por cima sem pagar nenhum tostão até hoje. Alugaram os aviões a preço de ouro, três vezes mais do que o aluguer no mercado normal, levaram os aviões para parar em Miami onde os custos de estacionamento atingem cerca de 16 milhões de dólares, dinheiro que poderia ficar no país e até ajudar na melhoria dos recursos da ASA neste contexto de crise», aperta.

Encargos absurdos com a operação

Fidel Cardoso de Pina adverte que a vinda do referido avião não surpreende a ninguém, porque todos já estavam prevenidos que o Governo faria o possível e o impossível para não chegarmos ao dia 18 de Abril sem um avião (11 forma prometidos) na placa para tentar enganar os eleitores que afinal temos avião.
«O grande problema é que ninguém sabe em que condições foi negociada a vinda deste avião que estava num tipo de coima a aguardar o resgate do Governo, que mais uma vez assume encargos absurdos que vêm prejudicando o tesouro público e põem em causa os recursos dos cabo-verdianos», questiona o candidato a deputado do PAICV pelo círculo eleitoral de Santiago Sul, para quem ninguém sabe quanto é que o Governo de Ulisses Correia e Silva pagou «para esta desastrosa operação», em plena campanha eleitoral - a três dias das eleições gerais deste domingo, «vinculando a próxima maioria a compromissos injustificáveis e quem sabe insuportáveis pelos poucos recursos disponíveis nestas ilhas».

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project