SOCIAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Caso de suposta fuga à França: Amadeu Oliveira confirma que Procurador-geral da República já pediu autorização ao parlamento para sua detenção 05 Julho 2021

O caso de suposta fuga do acusado Arlindo Teixeira à França conhece um novo capitulo com o deputado e advogado Amadeu Oliveira a confirmar, hoje, à entrada da sessão comemorativa do 05 de Julho, na Praia, o pedido feito pelo Procurador-geral da República (PGR) para a sua detenção. Oliveira avista estar preparado para ser preso a qualquer momento, mas admite que “não será condenado”.

Caso de suposta fuga à França: Amadeu Oliveira confirma que Procurador-geral da República já pediu autorização ao parlamento para sua detenção

Segundo escreve Inforpress, Amadeu Oliveira confirmou que o Procurador-Geral da República já pediu a autorização para proceder à sua prisão, fora de flagrante delito, pelo que dependendo da decisão da Comissão Permanente da Assembleia Nacional, pode ser preso mesmo à saída da sessão.

“Eu posso estar preso a qualquer momento, nomeadamente à saída daqui. Portanto estou absolutamente preparado para ser interrogado e mantido em prisão preventiva a qualquer momento”, disse em entrevista à imprensa.

Contudo, afirmou que pode ser preso, mas que não será acusado, nem condenado porque tem a verdade e a Constituição da República a seu lado.

“Eu posso até ser preso, posso até ser mantido em prisão preventiva, mas não serei acusado e, sobretudo, não serei condenado no final porque tenho o direito, tenho a verdade e tenho a Constituição da República a meu lado”, sustentou.

Amadeu Oliveira chegou sábado a Cabo Verde depois de ter ajudado e acompanhado o seu cliente Arlindo Teixeira, condenado por assassinato numa fuga até à França via Portugal.

O caso Arlindo Teixeira remonta a 31 de Julho de 2015 quando foi preso acusado de assassinato e depois, em 2016, condenado a 11 anos cadeia continuando em prisão preventiva a aguardar o desfecho do recurso ao Tribunal Constitucional e a 26 de Abril de 2018 Arlindo Teixeira, com dois anos, oito meses e 26 dias em prisão preventiva, é mandado soltar pelo Tribunal Constitucional por considerar que Arlindo Teixeira agiu em legítima defesa.

Numa nova apreciação, o Supremo Tribunal de Justiça reduziu a pena de 11 para nove anos. Um acórdão posterior do Tribunal Constitucional revoga a condenação e manda repetir o julgamento porque este decorreu sem assistência do público e do advogado de defesa Amadeu Oliveira.

O Supremo Tribunal repete o julgamento, mas mantém a pena de nove anos, pena que só pode ser executada depois da decisão do Tribunal Constitucional sobre o pedido de amparo. E é aqui que entra a prisão domiciliar ordenada pelo Supremo Tribunal de Justiça a partir de 16 de Junho.

Segundo ainda a Inforpress, Amadeu Oliveira está a ser julgado por ofensas a juízes do Supremo Tribunal de Justiça, um processo que está parado, neste momento, devido à imunidade parlamentar, cujo levantamento, já solicitado pela juíza de julgamento, aguarda decisão da Assembleia Nacional.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project