DIÁSPORA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Caso do assassinato do Willy em Roma: Beberam cerveja após o espancamento do jovem, são quatro acusados do crime de Colleferro 08 Setembro 2020

“Com as mãos como se não houvesse amanhã”, escreveram no Facebook. Marco Bianchi, especialista em artes marciais, conhecido como "El Maldito" e seu irmão Gabriele (ver foto principal e outras no roda pé desta peça ) vêm aterrorizando a área há anos com lutas e violência de todos os tipos. E no Facebook os jovens da região prometem vingança: "Nós vamos te buscar", escreveu, esta segunda-feira,07, o jornal La Repubblica, referindo-se aos autores do assassinato, no último sábado, do jovem cabo-verdiano Willy Duarte Momento, descendente de pais cabo-verdianos da ilha de São Nicolau.

Caso do assassinato do Willy em Roma: Beberam cerveja após o espancamento do jovem, são quatro acusados do crime de Colleferro

“Mais cedo ou mais tarde vocês terão sair e eles vão te buscar em casa, um a um”. Esse é, segundo o mesmo jornal, apenas um das dezenas de comentários feitos nas últimas horas sobre os perfis sociais dos irmãos Marco e Gabriele Bianchi, de 26 e 24 anos, de Artena, presos na madrugada de domingo junto com seus dois amigos sob a acusação de assassinato por chutos e socos, no vizinho Colleferro, de Willy Monteiro Duarte, de 21 anos. E não é o mais pesado. A indignação pelo ocorrido é, prossegue a mesma fonte, enorme e um verdadeiro rio de insultos e ódio se derrama sobre o que se chamou o bando de Artena, um grupo de jovens diante dos quais até a tragédia do domingo passado poucos olharam para cima. Afinal, em Artena, um pequeno centro romano, na fronteira com a província de Latina e perto da de Frosinone, onde todos se conhecem, refere a reportagem de La Repubblica assinada por Clemmente Pistilli, Frederica Angeli e Massimo Lugli.

Conforme sublinha aquele jornal, alguns dos envolvidos no crime, com precedentes por tráfico de drogas, circulam abundantemente e viram os Colleferro carabinieri fazer várias prisões, e outros feridos. O bando presentava-se com uma gangue que se sentia invencível e ostentava riqueza e atitudes violentas, tendo os brancos como protagonistas. No passado também atacou um segurança do outlet Valmontone e em agosto agrediu ainda um policial de trânsito que tentava fazer cumprir as medidas anti-Covid.

Revela o mesmo jornal que o grupo é visto como feroz e ousado. Tanto que, após o espancamento do jovem Willy de 21 anos, os dois irmãos, junto com os amigos Mario Pincarelli, 22 anos, e Francesco Belleggia, um agrimensor de 21 anos, e um quinto jovem investigado apenas à solta, foram sentar-se calmamente no restaurante da família, o "Nai Bistrot", bebendo cerveja, onde foram bloqueados e levados para o quartel - tem uma obsessão dos brancos pela família. Existem inúmeras fotos de Gabriele e Marco postadas no Facebook e Instagram nas quais eles reforçam seu vínculo de sangue. Tanto é que o jovem de 24 anos veio escrever, falando sobre a família: "Por você contra tudo e contra todos com as mãos como se não houvesse amanhã". E ele ainda tem as palavras "proteja a família" tatuadas em seu estômago - uma obsessão igual apenas à das artes marciais.

O assassinato de Colleferro, o desespero da mãe de Willy: "Meu pequeno gigante queria ser cozinheiro"

La Repubblica revela que, com um pontapé na cabeça, foi morto o jovem de 21 anos de origem cabo-verdiana, residente em Paliano, na província de Frosinone, assistente de cozinheiro no Hotel degli Amici di Artena e com o sonho de um dia vestir a camisa Roma, brincando e jogando. Que Willy deu sua alma ao time de futebol do seu país.

Os irmãos Bianchi, descreve o jornal, têm quase um culto ao corpo e faziam questão de exibir jóias vistosas e roupas de grife, entre um feriado em Ponza e outro em Positano. Gabriele também foi recentemente apresentado como modelo de empresário, por ter inaugurado no centro histórico de Cori, município da província de Latina na fronteira com Artena, uma frutaria em plena emergência de Covid, “Os cheiros do jardim”, na via della Liberdade.

Mas a vida do jovem de 24 anos não foi bem a de um quieto verdureiro. Junto com seu irmão e amigos em Artena e nas cidades vizinhas semearam o terror. O que antes era uma terra de bandidos, na fronteira entre os territórios romano e pontino, voltou a ser terra de bandidos. Marco, em particular, é campeão de MMA e se chama Maldito, apelido que agora soa sinistro. É profissional da "MMA Combat Academy Di Tullio Team", que se encontra no "Millennium Sporting Center", em Lariano, a dois passos da sua cidade, nos Castelli Romani.

Wrestling, wrestling e boxe tailandês: Este é o MMA, o desporto praticado pelos irmãos presos pelo assassinato de Willy

Além dos dois, cujos nomes assustam principalmente no bairro de Colubro di Artena, onde moram, Pincarelli, entusiasta do caraté, e Belleggia, que uma vez no quartel teriam tentado se distanciar do incidente, também fariam parte da banda, enquanto os brancos teriam apenas dito: "Não queríamos matá-lo." Eles só queriam bater nele, como sempre.

“Eles são bandidos. Willy teve a infelicidade de estar no lugar errado na hora errada”, diz Vincenzo Romagnoli, o pai do jovem que estava com a vítima. Um jovem de 21 anos que perdeu a vida por tentar trazer a paz entre um grupo de amigos que discutia na praça do Colleferro. Mas quando ele saiu de um SUV, a gangue o invadiu, não havia escapatória para ele ", conclui o jornal La Repubblica.

Link da reportagem: https://roma.repubblica.it/cronaca/2020/09/07/news/bevevano_birra_dopo_il_pestaggio_ecco_chi_sono_gli_assassini_di_willy-266456959/

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project