INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

China: Papa Francisco criticado por comentários sobre muçulmanos uigures 25 Novembro 2020

O Governo chinês criticou hoje o Papa Francisco devido a uma passagem no seu novo livro na qual menciona o sofrimento dos membros da minoria étnica chinesa de origem muçulmana uigur no extremo noroeste da China.

China: Papa Francisco criticado por comentários sobre muçulmanos uigures

Conforme explicou o Notícias ao minuto, o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Zhao Lijian, disse que os comentários de Francisco não têm "qualquer base factual".

"Pessoas de todos os grupos étnicos desfrutam de plenos direitos de sobrevivência, desenvolvimento e liberdade de crença religiosa", disse Zhao em conferência de imprensa.

Ressaltou ainda a mesma fonte, que Zhao não referiu os campos em que mais de um milhão de uigures e membros de outros grupos minoritários muçulmanos estão detidos.

Os EUA e outros governos, assim como grupos de defesa dos Direitos Humanos, dizem que as instalações, semelhantes a prisões, têm como objetivo afastar os uigures da sua herança religiosa e cultural, forçando-os a declarar lealdade ao Partido Comunista da China.

A China, que inicialmente negou a existência das instalações, diz agora que são centros destinados a fornecer treino vocacional e a prevenir o terrorismo e o extremismo religioso de forma voluntária.

No seu novo livro "Deixem-nos Sonhar", lançado no início de dezembro, Francisco listou os "pobres uigures" entre os exemplos de grupos perseguidos pela sua fé.

O papa escreveu sobre a necessidade de ver o mundo a partir das periferias e margens da sociedade, "lugares de pecado e miséria, de exclusão e sofrimento, de doença e solidão".

"Penso frequentemente em povos perseguidos: os Rohingya, os pobres uigures, os Yazidi ou os cristãos no Egito e no Paquistão, mortos por bombas que explodiram enquanto oravam na Igreja", escreveu Francisco.

O papa recusou-se a condenar diretamente a China pela repressão às minorias religiosas, incluindo os católicos, para grande consternação dos Estados Unidos e grupos de defesa dos Direitos Humanos.

O Vaticano renovou no mês passado o seu polémico acordo com Pequim para a nomeação de bispos católicos e Francisco teve o cuidado de não dizer ou fazer nada sobre o assunto suscetível de ofender o Governo chinês.

é de recordar, que a China e o Vaticano não têm relações formais desde que o Partido Comunista cortou os laços e prendeu clérigos católicos logo após tomar o poder em 1949.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project