INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

234º dia : Rússia X Nato alargada 16 Outubro 2022

Hoje ao ducentésimo trigésimo-quarto dia da guerra na Ucrânia, sabe-se que a Nato esteve na quinta-feira reunida à porta fechada a ponderar planos de exercícios com armas nucleares e afirma-se mais forte que a Rússia: tem 3,37 milhões de pessoal militar ativo contra os 1,35 milhão da Rússia. Isso mesmo replicou — dirigindo-se à ameaça do Kremlin sobre uma "catástrofe global "— "o chefe da diplomacia da UE-União Europeia, Josep Borrell, ao alertar que as tropas russas seriam "aniquiladas" pela resposta ocidental caso o presidente russo, Vladimir Putin, cumpra a ameaça de usar armas nucleares na Ucrânia.

234º dia : Rússia X Nato alargada

O mais recente desenvolvimento no confronto entre a Rússia e a Nato surgiu esta sexta-feira com o aviso dado pelo secretário-adjunto do Conselho de Segurança da Rússia, Alexander Venediktov, de que uma possível "adesão da Ucrânia à NATO vai levar à III Guerra Mundial".

O confronto, vê-se, entre a Rússia e a Nato ficou ainda mais claramente bélico a partir da cimeira de Madrid há três meses, com o alargamento indicado pela participação dos líderes da Finlândia e Suécia, quase-membros, do Japão, Coreia do Sul, Austrália e Nova Zelândia, potenciais países candidatos.

O primeiro-ministro Kishida é o primeiro líder japonês a participar numa cimeira da Nato (fotos), impelido designadamente por treinos militares da Rússia nas ilhas Kuril.

A confirmar a sua vocação bélica, a Nato em Madrid votou pela disponibilização de mais meios militares, designadamente na Polónia, Roménia, Itália e Alemanha por forma a acudir prontamente à Ucrânia. Vão ser mais trezentas mil tropas e equipamentos de alta tecnologia bélica que estarão em alerta prontos a intervir perante ameaças. Os Estados Unidos, do tripé AUKUS que forma com o Reino Unido e a Austrália, terão armas e mísseis estacionados no Reino Unido.

"A Nato está de volta", expressou congratulatoriamente o primeiro-ministro neerlandês, Mark Rutte, sobre esta reunião da Nato alargada a novos (quase) membros e candidatos. Sobre esta congratulação do chefe do governo dos Países-Baixos, surgiram frases lapidares: "Não há como ter um inimigo comum para revitalizar as alianças moribundas".

Muitos querem, e querem muito, integrar a organização de defesa da Europa, depois de ter estado "em morte cerebral", como deplorou o presidente francês (Entre Trump e Erdogan, "Nato em morte cerebral", diz Macron, 09.nov.019).

A aproximação do Japão à potência de defesa europeia e ocidental tem a ver com a ameaça concreta que representa a aliança cada vez mais estreita entre a Rússia e a China. Ambos os países mantêm pretensões expansionistas em conflito com a alegada soberania nipónica sobre espaços territoriais no eixo Extremo Oriente-Pacífico.

Fontes: AFP/TASS/Japan Times/Le Monde/ BBC/Corriere/DW.de/TVE/... Relacionado: ... — Japão sob ameaça russa nas Kuril, 30.mar.022; Japão protesta ante treinos militares da Rússia nas ilhas Kuril, após Zelensky dirigir-se ao Doma, 30.mar.022; Beijing 2022: Olímpiada de Inverno arranca sob boicote do trio AUKUS, Japão, Canadá, Suécia..., 05.fev.022. Fotos: Nato em Madrid, em Cimeira muito concorrida e que pôs 10 mil tropas e polícias na já buliçosa capital espanhola. Os líderes tiveram um régio jantar oferecido pelo Rei e Rainha no Palácio Real.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project