ACTUALIDADE

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Polémica: Comandante Júlio de Carvalho diz-se “indignado” com declarações da ministra da Defesa sobre aniversário das Forças Armadas 20 Janeiro 2022

A polémica está lançada com o combatente da liberdade Júlio de Carvalho a manifestar-se indignado com as declarações da ministra da Defesa (Janine Lélis), quando referiu no ato central das comemorações do Dia das Forças Armadas em São Vicente, que a instituição celebra 30 anos de serviço prestados à pátria. Carvalho corrige que a instituição castrense tem sim cinquenta e cinco anos, já que, segundo ele, «as Forças Armadas juraram na presença de Amílcar Cabral, em Cuba, há 55 anos, que nós libertaríamos Cabo Verde”.

Polémica: Comandante Júlio de Carvalho diz-se “indignado” com declarações da ministra da Defesa  sobre aniversário das Forças Armadas

Para o primeiro comandante das Forças Armadas (FA), também antigo ministro da Administração Interna do Governo do PAICV citado pela Inforpress, este tipo de declarações “não enobrece” o País, enfatizando que é preciso contar a história “com verdade”.

Júlio de Carvalho falava, esta quarta-feira, à margem de uma exposição dos alunos do Colégio Letrinhas no âmbito da Semana da República, onde foi homenageado, enquanto combatente da liberdade da Pátria.

Ao usar da palavra para agradecer o gesto do Colégio, veio o desabafo, manifestando estupefação pelas declarações da ministra Janine Lélis, no acto central das comemorações dos 55 anos das Forças Armadas de Cabo Verde, que teve lugar em São Vicente, onde referiu que as Forças Armadas estariam sim a celebrar 30 anos de serviço prestados à pátria.

Segundo Janine Lélis “foi com o advento da democracia em 1991 e com a Constituição da República de 1992 que as Forças Armadas de Cabo Verde passaram a ser de facto Forças Armadas de Cabo Verde e a estar ao serviço da nação cabo-verdiana”.

Citações, que segundo o comandante Júlio de Carvalho, lhe “entristeceram”.

“Dirigindo-se à parada, mas dirigindo-se a todos os militares, a centenas de jovens que este ano entraram para as Forças Armadas e que precisam conhecer a nossa história, o País… e ouvir isso da sua boca”, comentou segundo ainda a Inforpress.

“Ela fala em 35 anos, porque se reporta à altura em que se fez, provavelmente, à abertura para o pluripartidarismo. E pergunto: essas Forças Armadas não existiam antes? Os 20 anos, sejam da luta armada, da construção do País… aonde é que ela coloca isso? Para onde é que isso vai?”, desabafou em tom de indignação.

Conforme a mesma fonte, Júlio de Carvalho vai mais longe questionando se a ministra Janine Lélis estaria mandatada por alguém, eventualmente pelo Governo, para “agir dessa forma”.

“Sinceramente, estou e fico confuso. É difícil de acreditar, mas muito mais difícil de aceitar esse tipo de declarações que não enobrece o País e as Forças Armadas”, exteriorizou o comandante para quem o momento deveria ser de unidade no País, “mesmo havendo diferenças”.

“Cinquenta e cinco anos, as Forças Armadas juraram na presença de Amílcar Cabral, em Cuba, há 55 anos, que nós libertaríamos Cabo Verde”, enfatizou.

Júlio de Carvalho concluiu, advertindo, que quando se está a representar o País, um órgão do poder, mormente falando a uma das instituições mais importantes do País, o “decoro para quem desempenha funções a essa altura, deve ser tido muito em devida conta. Daí essa nossa reacção”, finalizou este antigo comandante das Forças Armadas citado pela Inforpress.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project