ACTUALIDADE

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Comité cabo-verdiano da Memória do Mundo vê mais-valia em formação promovida pela Unesco 15 Julho 2022

O secretário executivo do Comité Nacional Cabo-verdiano da Memória do Mundo (MEMU), José Évora, reconheceu hoje (14/0/) mais-valia numa oficina de formação de preparação de nomeações para o Registo Mundial Internacional de Memória promovida pela Unesco.

Comité cabo-verdiano da Memória do Mundo vê mais-valia em formação promovida pela Unesco

“É uma ação de capacitação aos membros do Comité Nacional Cabo-verdiano da Memória do Mundo, criado em 2020. Tivemos uma primeira fase de instalação do comité enquanto tal, no segundo momento nós fizemos a socialização do programa memória do mundo ao país e este momento estamos a receber uma capacitação por parte dos especialistas da Unesco que é no sentido de fornecermos elementos para que haja condições de lançar as primeiras candidaturas ao património documental mundial”, disse.

Nesta formação, explicou, participarão não só os oito elementos que fazem parte do comité nacional, mas também representantes de instituições de custódia, das fundações dos arquivos e das bibliotecas a nível dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP).

“Vai trazer mais valia, sobretudo porque vai nos capacitar e fornecer os elementos e os procedimentos necessários para as constituições dos dossiês que são as exigências da Unesco e, portanto, eu creio que isso terá uma “importância grande” porque a partir desse momento, depois desta formação, nós, os elementos do comité, estaremos em condições de lançar as primeiras chamadas de candidatura e, em segundo lugar, estar em condições de analisar os dossiês que eventualmente vamos receber da parte das instituições de custódia”, completou.

Na última inscrição de documentos para a candidatura Memórias do Mundo, apenas 3 por cento (%) dos dossiês pertenciam a países da África, apesar da riqueza e diversidade do património documental. Destes, apenas um era respeitante a um país falante da língua portuguesa.

Tendo em conta o património documental africano não é bem conhecido nem suficientemente protegido e promovido e, considerando que a preservação e a promoção do património documental contribuem para a criação das condições necessárias ao aproveitamento do seu potencial para acelerar a implementação dos ODS, que Cabo Verde criou, recentemente, o Comité Nacional Cabo-verdiano da Memória do Mundo.

Esta iniciativa procura munir as instituições de memória de língua portuguesa de competências no que diz respeito à preparação de candidaturas ao Registo Internacional de Memória do Mundo (MdW).

Esta formação tem como principais objectivos sensibilizar para a importância do Registo da Memória do Mundial na promoção da singularidade e do valor universal do património documental, desenvolver as capacidades das instituições de memória e dos comités nacionais do MdW na preparação do pedido de inscrição do património documental no Registo Internacional do MdW, promover o Prémio Unesco/Jikji Memória do Mundo (Unesco/Jikji Memory of the World Prize).

A Semana com Infropress

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project