INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Condenados a 4 anos de prisão efetiva 5 grandes distribuidores de medicamentos falsificados: Comércio ilícito de fármacos mata mais de 100 mil na África SS 16 Mar�o 2018

O porto de Cotonou, Benim é a maior porta de entrada das centenas de toneladas de fármacos ilegais apreendidas nos últimos meses, que mataram, em 2017, mais de cem mil pessoas na África Subsaariana. Entre as dezenas de pessoas detidas (numa operação em dezembro último na capital, Porto Novo, e Cotonou), estão sete grandes distribuidores e nesta terça-feira, 13, cinco deles — que controlam o setor beninês, como representantes das farmacêuticas internacionais GAPOB, Ubipharm, CAME, Ubephar e Promo Pharma — foram condenados a quatro anos de prisão efetiva.

Condenados a 4 anos de prisão efetiva 5 grandes distribuidores de medicamentos falsificados: Comércio ilícito de fármacos mata mais de 100 mil na África SS

Pela “venda de medicamentos falsificados, a exposição e posse com vista à venda ou venda de substâncias medicamentosas falsificadas”, os cinco grossistas foram condenados, além da pena de prisão, a pagar ao Estado do Benim uma indemnização de 100 milhões CFA (16,540 milhões CVE).

Em fuga, deputado distribuidor via dois testas de ferro

Os dois outros distribuidores condenados, a dezoito e seis meses de prisão efetiva, eram testas de ferro do deputado Atao Hinnouho, que está foragido da justiça. Na casa deste deputado da oposição, a polícia fez, em dezembro último, a apreensão de centenas de embalagens de medicamentos avaliados em perto de 100 milhões CFA (mais de 15 milhões CVE).

Diretor-geral do medicamento arguido saiu em liberdade

Arguido por não ter “impedido a ocorrência destas infrações”, o diretor da DPMED- Direção de Farmácias, Medicamentos e Exames-Diagnósticos, tutelada pelo Ministério da Saúde, arriscava uma pena de prisão entre um ano e três anos. O tribunal foi clemente e absolveu-o.

Comércio ilícito de fármacos mata mais de cem mil pessoas por ano na África subsaariana

O Benim partilha com a vizinha Nigéria a (má) reputação de placa giratória do comércio ilícito de fármacos na faixa ocidental africana. O porto de Cotonou, maior cidade do Benim, é apontado como a maior porta de entrada ilegal da região.

O governo de Patrice Talon foi eleito em 2016 com a promessa de travar este comércio ilícito, que inclui não só os fármacos falsificados mas também os desviados da venda legal. A justiça rápida neste caso está a ser apontada como um sinal positivo.

Segundo a OMS- Organização Mundial de Saúde, este comércio ilícito mata mais de cem mil pessoas por ano na região subsaariana.

Fontes: AFP/Le Monde/OMS/Symposium pharmaceutics

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade
Cap-vert
Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project