LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Covid-19: "A variante brasileira contaminará o mundo inteiro", avisa Dimas Covas 29 Abril 2021

O alerta está a ser dado pelo diretor do Instituto Butantan, co-responsável pelo fabrico da vacina Coronavac, a mais utilizada no maior país da Lusofonia. O professor Dimas Tadeu Covas aponta que das quatro variantes que circulam no Brasil "a mais significativa é a P1, de Manaus, que representa 70% dos casos e ameaça propagar-se pelo mundo".

Covid-19:

O professor Covas, de 64 anos, em entrevista na semana passada ao francês l’Express indicou que "à medida que cresce o número de pessoas contaminadas, maior é a probabilidade de surgirem novas variantes".

"Enquanto a situação pandémica não for controlada no Brasil, este país vai ser uma fábrica natural de variantes. Se nada for feito, de certeza que a P1 propagar-se-á pelo mundo. E a variante derivada da P1 será pior ainda".

A variante P1, descreve Dimas, "réune caraterísticas da variante inglesa e caraterísticas da variante sul-africana. É mais infecciosa e mais contagiosa que a variante inicial. É também a variante predominante. Como eu já disse, no Brasil, 70% das pessoas infetadas foram-no através da P1".

A P1 está presente nos países vizinhos — Argentina, Uruguai, Paraguai, Chile — e somam-se "já 35 países, embora em escala menor, como no Japão onde chegou com turistas nipónicos de regresso de Manaus".

Brasil pária

"É uma grande tristeza", diz o médico e cientista, sobre a imagem deformada do Brasil de hoje. Um país pária no contexto internacional.

A atual situação pandémica é uma das facetas que evidenciam as más opções do governo Bolsonaro. "A segunda-vaga, com mais de três mil mortes diárias" só agravou a má gestão da fase anterior.

"Vamos ter quatro mil mortes diárias", avisa Dimas. "E se o governo federal continuar a não compreender a situação é inevitável atingirmos os cinco mil óbitos por dia. Em termos de números acumulados, aproximamo-nos das quinhentas mil vítimas".

Meio milhão de óbitos em julho

Em julho, prossegue o cientista, "se a trajetória atual se mantiver vamos atingir efetivamente o meio milhão de óbitos".

Fontes: L’Express. Relacionado: Brasil: Variante do coronavírus do Amazonas está entre as três que preocupam cientistas, 19.jan.021; Covid-19 no Brasil: Prefeito de Manaus chora em direto, pede ajuda internacional, 16.mai.020.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project