ACTUALIDADE

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Covid-19: Agências de viagens de Cabo Verde consideram acertado reinício de voos internacionais 10 Outubro 2020

As agências de viagens e turismo de Cabo Verde consideraram acertada a decisão do Governo de reiniciar os voos comerciais internacionais a partir de segunda-feira, ao fim de quase sete meses, entendendo que vai permitir retomar negócios.

Covid-19: Agências de viagens de Cabo Verde consideram acertado reinício de voos internacionais

“As agências de viagens veem a decisão com muita satisfação, é o renovar de esperança, e vai ao encontro da solicitação da associação no sentido da abertura.

Entendemos ainda que se trata de uma decisão acertada e inadiável do Governo que, com certeza, contribuirá para a retoma do negócio das agências de viagens interrompido desde Março”, disse à agência Lusa o presidente da Associação das Agência de Viagens e Turismo de Cabo Verde (AAVTCV), Mário Sanches.

O anúncio do reinício dos voos comerciais internacionais a partir de segunda-feira, ao fim de quase sete meses, foi feito hoje, em São Vicente, pelo ministro do Turismo e Transportes, Carlos Santos, indicando que os passageiros estão obrigados a apresentar testes negativos para a covid-19 com pelo menos 72 horas de antecedência da viagem.

Ainda conforme escreve a fonte referida, no mesmo dia, será também retomado o tráfego comercial marítimo de passageiros, bem como operações de escala técnica e de abastecimento de aeronaves nos aeroportos nacionais.

Para o presidente da AAVTCV, a partir de agora é importante o país continuar a levar em conta a questão sanitária, para manter as fronteiras abertas.

“Temos a consciência que, enquanto não resolvermos o problema da covid, não vamos resolver o problema do turismo”, salientou Mário Sanches, para quem é preciso haver um equilíbrio para a retoma do negócio no sector.

O ministro disse que não espera uma entrada em massa de turistas já a partir de segunda-feira, e o presidente reconheceu que o turismo vai acontecer no país de uma forma muito lenta.

“Mas o importante nesse momento é começarmos a faturar”, frisou Mário Sanches, esperando também que os preços das viagens sejam atrativos, para que as pessoas possam viajar.

Além do preço da viagem, o passageiro terá de pagar o teste à covid-19. A AAVTCV já tinha proposto ao Governo subsidiar metade do valor, fixado num máximo de 127 euros nos serviços privados e 100 euros nos serviços públicos de saúde.

“Nós ainda aguardamos essa resposta do Governo, ainda que também pudesse baixar o preço, porque para que a pessoa possa viajar, agora são necessários dois componentes, é o teste PCR e o bilhete da viagem. Se conseguirmos ter um equilíbrio entre os dois componentes, com certeza que haverá mais pessoas a viajar”, mostrou o líder associativo.

Para o representante das agências de viagens, o teste a esse valor pode ser um “recuo” para que uma pessoa possa viajar.

Nesta primeira fase, Mário Sanches entendeu que as pessoas não vão viajar pelo turismo puro, mas sim a negócios, visitar famílias, a trabalho, uma vez que já não serão necessários tantos justificativos pedidos para os voos essenciais.

Cabo Verde está fechado a voos comerciais internacionais desde 19 de Março, devido à pandemia de covid-19, tendo inicialmente anunciado a retoma em 30 de Junho, mas com o recrudescer de casos, tanto na Europa como nas ilhas, a retoma foi adiada para a segunda quinzena de Agosto.

Desde 01 de Agosto que está em vigor um corredor aéreo para voos essenciais entre Lisboa (Portugal) e as ilhas de Santiago e de São Vicente, operados regularmente por duas companhias portuguesas (TAP e SATA) e que obrigam os passageiros, nos dois sentidos, a apresentar testes negativos para covid-19 realizados com pelo menos 72 horas de antecedência.

O Governo quer ainda apresentar Cabo Verde por ilhas para estabelecer determinados corredores aéreos, sem olhar para os números da covid-19 a nível nacional, uma “boa alternativa”, comentou Mário Sanches.

“O facto de Cabo Verde ser um país arquipelágico facilita a abertura”, reforçou o presidente, para quem neste momento o país deve começar a aproveitar do turismo onde ele possa existir.

Mário Sanches vê com “bons olhos” as medidas sanitárias tomadas pelas autoridades cabo-verdianas, entendendo que o importante é dar conforto, segurança e confiança ao consumidor.

O país tinha até quinta-feira um acumulado de 6.717 casos positivos de covid-19 desde 19 de Março, dos quais 71 óbitos e dois doentes transferidos, 5.821 pessoas recuperadas e permanecem 825 casos ativos.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project