LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Covid-19: Associações dizem que abertura é necessária para melhor futuro de Macau 09 Janeiro 2023

Associações profissionais de Macau ouvidas pelas Lusa veem com bons olhos o cancelamento das restrições anti-covid no território e preparam-se para um “futuro mais brilhante”.

Covid-19: Associações dizem que abertura é necessária para melhor futuro de Macau

Macau, que à semelhança do interior da China seguia a política ’zero covid’, apostando em testagens em massa, confinamentos de zonas de risco e quarentenas, anunciou recentemente o cancelamento da maioria das medidas de prevenção e contenção, após quase três anos das rigorosas restrições.

A abertura “é um sinal muito bom”, começou por dizer à Lusa o presidente da União das Associações dos Proprietários de Estabelecimentos de Restauração e Bebidas de Macau.

“Mas ainda temos de esperar e observar a situação da pandemia e do vírus”, ressalvou Chan Chak Mo, acreditando que, “em algumas semanas, já terá tudo passado”. “Por isso, penso que é importante para nós estarmos preparados para a chegada dos visitantes, especialmente durante o Ano Novo Chinês”, disse.

Pelo menos um sexto da população local, perto de 110 mil pessoas, e um quarto do pessoal de saúde estava infetado com covid-19 na sexta-feira, de acordo com declarações da secretária para os Assuntos Sociais e Cultura, Elsie Ao Ieong U, que estimou recentemente que, com o atual surto de covid-19, “a população infetada possa chegar a ser entre 50% a 80%”.

Para Chan Chak Mo, o cancelamento das restrições era inevitável, já que diz respeito a "uma política nacional" que Macau "segue à risca".

"Acho que não poderíamos agir de outra forma”, salientou.

"Pode ser um pouco duro entretanto, mas vamos ultrapassar (...) É um curto período que temos de suportar para um futuro melhor e mais brilhante para toda a economia”, disse o responsável, referindo que, também no interior na China se está “a sofrer bastante”.

Também a presidente da Associação Novo Macau pelos Direitos dos Trabalhadores de Jogo admite ser “muito a favor” da decisão do Governo de Ho Iat Seng.

“Enquanto cidade turística”, referiu Cloee Chao, Macau tem vivido “num estado de confusão nos últimos três anos".

“Incluindo eu que, enquanto trabalhadora de um casino, apesar de ter mantido o meu emprego nos últimos anos, muitas vezes fomos forçados a aceitar licenças sem vencimento devido à política anti-pandémica, e com cortes nos nossos salários”, explicou.

Desde o início da pandemia, as operadoras de jogo em Macau têm acumulado prejuízos sem precedentes devido à queda do número de visitantes, sobretudo da China, e, nestes quase três anos de restrições anti-covid, o setor do jogo (lotarias e outros jogos de aposta) perdeu 21.100 trabalhadores, de acordo com dados da Direção dos Serviços de Estatística e Censos.

“No meu local de trabalho dizíamos a brincar que, antes da abertura, não tínhamos clientes e depois da abertura não temos colegas”, salientou Cloee Chao, referindo, porém, que este momento em Macau faz parte de "um processo" para a região voltar à normalidade.

Desde que teve início o mais recente surto, o número de consultas médicas no Serviço de Urgência do Centro Hospitalar Conde de São Januário (CHCSJ), o hospital público de Macau, aumentou quatro vezes, de acordo com um comunicado divulgado na segunda-feira pelas autoridades de Saúde locais.

As urgências do CHCSJ recebem 400 ambulâncias por dia, "quatro vezes mais do que antes da epidemia", referiu ainda a nota do Governo, realçando que, "atualmente [no início da semana], mais de 30% do pessoal do hospital está infetado", sendo que "os recursos humanos são relativamente insuficientes".

O rápido aumento dos casos de covid-19, nos últimos dias, levou, além disso muitas instituições, empresas e espaços comerciais a suspender ou a reduzir a atividade.

O sistema de saúde está "um pouco sobrecarregado" e o Governo não esperava que a doença “se espalhasse tão rápido", apontou Cloee Chao que, "depois de tudo", espera que Macau volte a "integrar-se no mundo".

“A indústria do jogo é a indústria principal em Macau, e vemos que Singapura, Malásia e outros lugares com casinos já abriram há algum tempo e que os clientes que vinham originalmente para Macau foram para esses sítios. Esperamos trazer de volta esses clientes”, concluiu.
A Semana com Lusa

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project