ACTUALIDADE

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Covid-19: Dom Arlindo Furtado recebe primeira dose da vacina AstraZeneca 12 Abril 2021

O Cardeal Dom Arlindo Furtado recebeu, esta segunda-feira, 12, a primeira dose da vacina AstraZeneca, tendo ressalvado que qualquer medicamento tem efeitos secundários e deu graças a Deus por ter esse meio de combate à Covid-19, conforme noticia a Inforpress.

Covid-19: Dom Arlindo Furtado recebe primeira dose da vacina AstraZeneca

Em declarações à Imprensa, após ter sido vacinado no Centro de Saúde de Achada Santo António, na Cidade da Praia, Dom Arlindo Furtado adiantou que se sente “muito bem” com a tomada da primeira dose da vacina, e que aderiu à vacinação com “serenidade” e “confiança”.

Para o cardeal ser vacinado é uma “oportunidade” mas, por outro lado, há ainda a preocupação e o “empenho” pessoal em seguir as precauções em conformidade com as medidas já estabelecidas pelas autoridades sanitárias, que devem ser cumpridas por todos, vacinados ou não, conforme escreve a Inforpress.

Destacou ainda a importância de “todos” estarem “unidos” neste combate, e o apoio e a intervenção de todos. “Agora os mais velhos vão sendo vacinados e espero que pouco a pouco a vacinação se estenda a outras idades”, frisou, citado pela mesma fonte.

Relativamente às controvérsias geradas à volta da vacina AstraZeneca sobre possíveis efeitos colaterais, o cardeal ressaltou que “infelizmente” pode ter havido casos e podem surgir casos de reações “negativas”.

Porém, precisou que “grandes” autoridades mundiais defendem que é “preferível” tomar a vacina, mesmo que por ventura, num ou outro caso, haja efeitos secundários, uma vez que a “parte positiva é superior a negativa”.

“Não está provada que a vacina AstraZeneca traga problemas para todos de uma forma generalizada, mas como os técnicos dizem qualquer medicamento pode provocar efeitos secundários. Já tomei e os outros podem tomar também se quiserem e dou graças a Deus por termos este meio para fazer o combate ao coronavírus”, cita a Inforpress.

Dom Arlindo ressaltou ainda que “felizmente” em Cabo Verde até, onde se sabe, não tem havido nenhum caso de efeitos secundários “graves”, pelo que espera que o mesmo aconteça com ele e com todos.

Os cabo-verdianos aparentam uma resistência grande em relação às vacinas, mas felizmente há vacina. Melhor haver vacina do que não haver vacina”, sublinha, conforme escreve a nossa fonte.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project