REGISTOS

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Covid-19: Estudante camaronês 1º africano doente teve alta: "Não queria ter sido eu o 1º a levar o vírus para África" 18 Fevereiro 2020

Recuperou e teve alta do hospital o estudante Pavel Daryl Kem Senou, de 21 anos, que foi o primeiro africano a ficar doente com o Covid-19. Entrevistado no seu quarto universitário onde cumpre duas semanas de quarentena, revelou: "Pela primeira vez vi a morte perto", mas tinha uma certeza: "Não ia regressar doente, não queria ter sido eu o 1º a levar o vírus para África".

Covid-19: Estudante camaronês 1º africano doente teve alta:

"Só quero regressar à casa quando terminar os meus estudos", afirma Pavel. Tranquilo após a quarentena no alojamento universitário e a certeza de estar curado: os diversos exames — bacteriológicos, virológicos que incluem o recurso à imagiologia — deram negativo relativamente à presença do vírus morttal.

Ao estudante camaronês resta agora empenhar-se nos seus estudos. Tal como milhares de outros africanos, entre os quais os dezasseis estudantes cabo-verdianos em Wuhan que procuraram meios para sair da cidade flagelada pelo Covid.

Os cabo-verdianos de Wuhan permanecem na cidade sob quarentena, depois de frustrada a tentativa de boleia, designadamente junto dos portugueses ou dos brasileiros que no início do mês foram retirados de Wuhan.

O camaronês de 21 anos, estudante da universidade de Yangtzé — conhecida por dar formação e estudos no campo da prospecção petrolífera—, agora empenha-se em terminar o curso.

A determinação agora é maior, depois que a sua meta vacilou de súbito há apenas duas semanas. Pavel a residir em Jingzhou, Hubei, arriscou tudo numa visita à capital da província. Ficou doente, em risco a vida, numa deslocação à cidade de Wuhan, de onde regressou no dia 19 último, antes da quarentena imposta à cidade onde surgiu o vírus mortal.

Em comunicado, a universidade de Yangtzé informou que o estudante estava a ser tratado no hospital de Jingzhou, a pouco mais de duzentos quilómetros de Wuhan, ambas as cidades na província de Hubei.

"A universidade prestou acompanhamento psicológico ao estudante e informou os pais dele e a embaixada. O jovem está a corresponder ativamente ao tratamento hospitalar e nos últimos dois dias a febre baixou e está normal. Ele está bem psicologicamente, tem os órgãos vitais estáveis e um apetite saudável", diz o comunicado.

No início do mês quando o caso foi divulgado, a correspondente da BBC em Yaoundé, a jornalista Killian Ngala, noticiou sobre a inquietação vivida no país que tem mais de trezentos estudantes só na universidade de Wuhan. Esses jovens na cidade em quarentena estão/estavam com acesso muito limitado a água, comida e máscaras cirúrgicas.

Há milhares de estudantes camaroneses nas universidades chinesas. A referida jornalista indica que todos os dias chegam pedidos ao governo camaronês para fazer regressar esses jovens que se sentem desesperados.

Numa carta ao presidente Paul Biya, os estudantes em Wuhan queixam-se de que não têm recebido qualquer apoio da embaixada em Beijing nesta conjuntura em que lhes falta o mais básico para o dia a dia.

Nomear a doença

A OMS-Organização Mundial de Saúde -Covid-19 anunciou, no início desta semana, que um painel de especialistas atribuiu um nome à doença provocada pelo novo coronavírus 2019-nCoV. A nova estirpe de coronavírus foi identificada em dezembro último, em Wuhan, China.

O organismo americano de controlo e prevenção de doenças, CDC-Center for Disease Control and Prevention divulgou a morfologia ultraestrutural do 2019-nCoV, Covid-19, identificado como a causa do surto de doença respiratória com epicentro em Wuhan, China.

A denominação Covid-19, dada ao recente coronavírus detetado na China, foi apresentada na segunda-feira, 10, num fórum que juntou em Genebra, Suíça, um painel de cientistas, investigadores e peritos de saúde para debater formas de controlo do surto.

Fontes: BBC/Sites oficiais/Arquivo: Estudante camaronês na China é 1º africano atingido por coronavírus, 04.fev.020. Foto: Pavel Daryl Kem Senou, o 1º africano doente é também o 1º africano curado.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project