INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Covid-19: Fechar escolas deve ser última medida a adotar 03 Setembro 2020

A diretora do Centro Europeu para Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) defendeu hoje que o encerramento das escolas na Europa devido à covid-19 deve ser "a última medida a adotar", devido ao impacto na educação das crianças.

Covid-19: Fechar escolas deve ser última medida a adotar

A diretora do Centro Europeu para Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC) defendeu hoje que o encerramento das escolas na Europa devido à covid-19 deve ser "a última medida a adotar", devido ao impacto na educação das crianças.

Conforme escreve o jornal mundo ao minuto, Andrea Ammon assegura que, as escolas são uma parte essencial da sociedade e vida das crianças [...] e, por isso, concluí-se que, fechar as escolas deve ser a última medida a adotar, se necessário, para conter a pandemia.

Intervindo por videoconferência na comissão de Saúde Pública do Parlamento Europeu, em Bruxelas, a responsável destacou que, "no caso de países que reabriram as escolas mais cedo", após o confinamento geral na Europa, "não se registaram aumentos nos contágios" nestes estabelecimentos de ensino.

Ainda assim, a responsável admitiu ser "difícil avaliar a contribuição real do encerramento das escolas para a redução" das infeções, sendo ainda "inconclusivo dizer se é útil ou não, do ponto de vista da propagação, fechar as escolas".

A Andrea Ammon acresce que, as crianças raramente são afetadas pelo vírus e isso manteve-se durante todos estes meses de covid-19 na Europa, reforçou a especialista, ilustrando que menos de 5% das pessoas infetadas têm menos de 18 anos e que as crianças têm sintomas mais leves e [...] menos hospitalizações.

É de recordar que, por outro lado, continua a responsável, "houve exemplos de que fechar as escolas [como medida de contenção] teve impacto na educação e nas capacidades das crianças", observou Andrea Ammon.

"É preciso colocar medidas em prática para reduzir a transmissão", insistiu, reconhecendo porém que "isso vai sempre depender da situação local e do espaço existente".

Já relativamente ao regresso ao trabalho, Andrea Ammon notou que isso só deve acontecer "quando o teletrabalho não é uma opção".

A responsável recordou, ainda, a existência de alguns surtos em locais de trabalho nos últimos meses, em sítios como fábricas, o que "aconteceu devido à proximidade física dos trabalhadores", por estarem em instalações partilhadas, com má ventilação, e por partilharem transportes, entre outros fatores.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes, Andrea Ammon diz que para evitar focos de infeção, que "as escolas não podem abrir como dantes", devendo agora "seguir medidas como o distanciamento físico, a higiene das mãos, o fim de aglomerados e a introdução de horários rotativos".

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project