LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Covid-19: Moçambique prevê arrancar com vacinação em julho deste ano 05 Janeiro 2021

Moçambique prevê arrancar com a vacinação contra o novo coronavírus a partir de julho deste ano, tendo já identificado os grupos prioritários, anunciou o ministro da Saúde.

Covid-19: Moçambique prevê arrancar com vacinação em julho deste ano

O ministro da Saúde, Armindo Tiago, disse em entrevista à Rádio Moçambique,citada pela Lusa, que a previsão de chegada da vacina a Moçambique está entre os meses de maio e junho, o que quer dizer que a partir de julho ou finais de junho, num cenário mais otimista, começa a se vacinar.

Sem avançar quais são, Armindo Tiago disse que o Ministério da Saúde e o Governo já definiram os grupos prioritários, alertando que a vacina "não deve ser vista como algo que vai resolver todos os problemas".

"Primeiro é preciso ter em conta que a vacina é uma medida complementar às providências atualmente em vigor contra a covid-19", frisou.

Moçambique espera receber a vacina através do programa de vacinação da iniciativa Covax, lançada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e que prevê distribuir, pelo menos, dois mil milhões de doses até ao final de 2021 de forma a imunizar 20% das pessoas mais vulneráveis em 91 países pobres, principalmente em África, na Ásia e na América Latina.

"Esta iniciativa vai permitir que possamos ter uma vacina segura, pré-qualificada pela OMS e que possa chegar ao país de forma gratuita", explicou Armindo Tiago.

Segundo o ministro da Saúde, o país espera receber cerca de seis milhões de doses, que vão abranger 20% da população moçambicana, tendo já cumprido duas das várias etapas necessárias para receber a vacina.

"Já submetemos um plano de assistência técnica e também a chamada candidatura de acesso à vacina, na qual especificamos os grupos prioritários, quer dizer, os que vão ser os primeiros a ser imunizados", disse.

Desde o anúncio do primeiro caso, em 22 de março, Moçambique registou um total de 19.309 casos positivos do novo coronavírus, dos quais 86% foram dados como recuperados.

O país contabiliza ainda 169 mortes devido à doença.

Em África, há 66.145 mortos confirmados e mais de 2,7 milhões de infetados em 55 países, segundo as estatísticas mais recentes sobre a pandemia no continente.

Entre os países lusófonos, Angola regista 408 óbitos e 17.642 casos, seguindo-se Moçambique (169 mortos e 19.309 casos), Cabo Verde (113 mortos e 11.920 casos), Guiné Equatorial (86 mortos e 5.264 casos), Guiné-Bissau (45 mortos e 2.446 casos) e São Tomé e Príncipe (17 mortos e 1.014 casos).

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, ao contabilizar o segundo maior número de mortos (196.018, em mais de 7,7 milhões de casos), depois dos Estados Unidos.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.835.824 mortos resultantes de mais de 84,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project