ACTUALIDADE

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Covid-19. OMS pede para que fronteiras se mantenham abertas 28 Novembro 2021

A Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu hoje para que as fronteiras se mantenham abertas, numa altura em se multiplicam as restrições de viagens relativas aos países africanos devido à propagação da nova variante do coronavírus SARS-CoV-2.

Covid-19. OMS pede para que fronteiras se mantenham abertas

"AOMS está ao lado dos países africanos e pede para que as fronteiras continuem abertas", refere a agência da Organização das Nações Unidas (ONU) em comunicado, apelando aos países para que adotem "uma abordagem científica" baseada na "avaliação dos riscos", revela a Lusa.

Segundo a OMS, "é crucial que os países que são transparentes com os seus dados sejam apoiados", uma vez que "é o único meio" de assegurar que "dados importantes" são recebidos "em tempo oportuno".

A OMS classificou na sexta-feira a nova variante do coronavírus que causa a covid-19 como uma variante "de preocupação" e batizou-a como Ómicron, nome de uma letra do alfabeto grego.

O Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças considera que a Ómicron suscita "sérias preocupações de que possa reduzir significativamente a eficácia das vacinas e aumentar o risco de reinfeções".

Conforme ainda a Lusa, a nova estirpe, inicialmente detetada na África do Sul, já foi identificada em vários países e, de acordo com a OMS, parece representar um risco acrescido de reinfeção quando comparada com outras variantes de preocupação em circulação, como a Delta, dominante no mundo e a mais contagiosa até à data.

Desconhece-se ainda, contudo, em rigor, os efeitos da Ómicron na transmissibilidade da infeção, severidade da doença e imunidade.

Portugal, que está a investigar possíveis casos da nova estirpe, suspende a partir de segunda-feira os voos de e para Moçambique.

Desde sábado todos os passageiros provenientes de voos de Moçambique, África do Sul, Botsuana, Essuatíni (antiga Suazilândia), Lesoto, Namíbia e Zimbabué ficam obrigados a cumprir uma quarentena de 14 dias após a entrada em Portugal continental.

Os Estados-membros da União Europeia decidiram na sexta-feira suspender temporariamente voos de sete países da África Austral, incluindo Moçambique, para travar a propagação da Ómicron.

A Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos, os Estados Unidos e o Reino Unido (onde a variante já foi confirmada) também fecharam as suas fronteiras aos naturais de países desta região de África.

Angola foi o primeiro país africano a suspender voos de e para a África do Sul.

Israel, onde a variante também já foi detetada, fechou as fronteiras aos estrangeiros, tal como Marrocos.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project