SOCIAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Covid-19: Paquistaneses rompem com o isolamento e enchem mesquitas e mercados 26 Abril 2020

Milhares de paquistaneses entraram este sábado no primeiro dia do Ramadão. Visitaram em debandada mercados e mesquitas, não fazendo caso das recomendações para ficarem em casa devido à Covid-19.

Covid-19: Paquistaneses rompem com o isolamento e enchem mesquitas e mercados

Milhares de pessoas, no Paquistão, e em várias cidades caminharam pelos mercados, algumas sem máscaras protetoras, para comprar o suficiente para preparar o jantar, a fim de comemorar adequadamente o final de cada dia de jejum, neste mês sagrado para os muçulmanos.

Em Peshawar, no noroeste do país, e em Lahore, no leste, esta cena repetiu-se. Presente entre os clientes de uma farmácia, Muneeb Khan, de 27 anos, explicou à France Presse estar cansado de usar máscara e luvas.

"Quanto tempo vamos ter que usá-las? Já tive o tempo suficiente. Agora tudo depende do meu humor. Às vezes uso, outras vezes não", admitiu.

Nas mesquitas de Islamabad, a multidão de fiéis era mais escassa do que o normal no primeiro dia do Ramadão, mas em outros lugares do país com 215 milhões de habitantes, o distanciamento social e a proibição das pessoas mais velhas visitarem os locais de culto era, em grande parte, esquecida.

Zafar Mirza, assessor especial em questões de saúde do primeiro-ministro paquistanês, Imran Khan, denunciou a correria nos mercados, pedindo às pessoas para que não deixassem as casas.

"Isso vai contra as diretrizes", lamentou à imprensa.

Imran Khan tem sido criticado pela maneira como tem gerido a crise da pandemia, provocando confusão ao dizer que o Paquistão não se pode, ao contrário de outros estados, dar ao luxo de impor contenção estrita da população.

Perante a pressão dos clérigos, o primeiro-ministro paquistanês decidiu levantar a proibição das rezas coletivas em templos religiosos que durava há semanas, apesar da manutenção do confinamento do país, com as escolas e a maioria do comércio fechado para evitar a propagação do novo coronavírus.

A abertura dos centros religiosos está condicionada ao cumprimento de uma série de medidas de segurança, tais como a manutenção de um metro de distância entre fiéis, que devem levar os seus próprios tapetes de oração e, posteriormente, lavá-los em casa.

No Paquistão os clérigos exercem uma grande influência sobre a população e dependem também das doações dos fiéis.

O exército, que desempenha um papel de liderança no país, pediu aos paquistaneses, na sexta-feira, para que ficassem e rezassem em casa. Fonte:JN; Foto:AFP

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project