ACTUALIDADE

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Crime organizado: Cabo Verde - Outro Narco-Estado na África Ocidental? 29 Agosto 2020

Esta peça, publicada no site greydynamics ( https://www.greydynamics.com/cabo-verde-another-narco-state-in-west-africa/) é da autoria de Ana-maria Baloi, analista do mesmo portal. A matéria é atual, por surgir no momento em que o país está envolvido no caso Alex Saab, tido como alegado testa-de-ferro do presidente Nicolás Maduro, acusado pelos EUA de ligações ao branqueamento de capitais e a tráfico de drogas e dos dois supostos enviados da cidade da Praia (Gil Évora e Carlos dos Anjos) à Venezuela. A presente peça de greydynamics parte de três premissas principais/julgamentos: KJ-1. Enquanto a Venezuela for governada por um governo falido que permite aos cartéis de drogas o controle de fato da política do país, Cabo Verde provavelmente continuará a ser um importante ponto de conexão de narcóticos entre a América Latina e a Europa. KJ-2. A falta de fundos para o combate ao contrabando de drogas em Cabo Verde deve impedir qualquer esforço de conter o mercado de drogas que se apoderou do país. KJ-3. Cabo Verde corre o risco de se tornar o segundo narco-estado da África Ocidental, depois da Guiné-Bissau.

Crime organizado: Cabo Verde - Outro Narco-Estado na África Ocidental?

O conteudo desta peça de Ana-maria Baloi serviu para várias outras divulgdas na imprensa internacional, com destaque para a última dessas investidas que está no London Daily Post, de 20 do mês em curso. Trata-se de um artigo virulento, que, segundo outras fontes, ataca diretamente as relações de Cabo Verde com Luxemburgo, particularmente o último acordo de financiamento assinado entre os dois países, no montante de 78 milhões de euros. O governo de Ulisses Correia e Silva já reagiu (ver a peça neste jornal). Por julgarmos ser de interesse para o país e os leitores do Asemanaonline (www.asemana.publc.cv), publicamos, a seguir, o artigo referido: Cabo Verde - Outro Narco-Estado na África Ocidental?

Cenário reconstruído

Cabo Verde é um país insular situado na costa da África Ocidental. É o lar de cerca de 500.000 residentes que usam o turismo e o transporte como seu principal meio de vida. A ex-colônia portuguesa conquistou sua independência há 40 anos e, desde então, tem desfrutado de estabilidade e prosperidade. O pequeno arquipélago também hospeda muitos turistas europeus que escolhem Cabo Verde por suas praias de areia branca e seu álcool barato. Ainda assim, por trás da bela fachada, o país está lutando para conter uma indústria de contrabando de drogas em rápida evolução. Apesar dos esforços intensificados do seu governo, Cabo Verde corre o risco de se tornar o segundo narco-estado da África Ocidental, a seguir à Guiné-Bissau.

As ilhas estão situadas ao longo do Décimo Paralelo - uma linha de latitude apelidada de “Rodovia 10”. Esse paralelo fornece a rota de tráfico mais curta entre a América Latina e a África. Para os cartéis que utilizam a Rodovia 10, Cabo Verde é a parada ideal para reabastecer os navios, armazenar seus produtos e enviá-los para o destino final - Europa. Devido à sua localização estratégica, Cabo Verde responde pela maior parte dos carregamentos de cocaína com destino à costa europeia. Em 2016, o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) colocou Cabo Verde no topo da lista de países da África Ocidental onde a maior quantidade de cocaína foi apreendida entre 2009 e 2014. Seguem-se Gâmbia, Nigéria, Gana e, mais recentemente, Guiné-Bissau.

O papel da África Ocidental no comércio transatlântico de cocaína remonta a quase 20 anos, quando os cartéis da Colômbia, tendo quase saturado a demanda nos Estados Unidos, buscaram novos mercados na Europa. Com o tráfego marítimo no Atlântico Norte mais vigiado após o 11 de setembro, eles desenvolveram a África Ocidental como uma rota alternativa de abastecimento, subornando governantes locais corruptos para oferecer passagem segura. Em determinado momento, há uma década, países como Guiné e Guiné-Bissau eram quase narco-estados. Os cartéis tinham escolta militar para suas drogas e podiam até mesmo despachá-los para a Europa em malas diplomáticas.

O envolvimento de Cabo Verde na narco-indústria não é novo, mas o país conseguiu até recentemente manter um baixo fluxo de embarques de drogas, sem colocar em risco a população local. As alegações indicam que o governo ignorou especificamente o problema das drogas, pois costumava gerar lucros para desenvolver a indústria do turismo. A economia de Cabo Verde é altamente afetada pela escassez de recursos naturais, daí a necessidade de o governo se reorientar para outros meios financeiros. Para explorar as atraentes paisagens do arquipélago, era necessário dinheiro para projetos de infraestrutura e modernização. Em 2011, uma investigação liderada pela polícia local revelou que certos membros da liderança política do país estavam passivamente envolvidos na indústria do tráfico de drogas, o que significa que estavam a permitir que cartéis estrangeiros e locais usassem Cabo Verde como armazém para envios encomendados da Europa. No início de 2019, Cabo Verde bateu o seu próprio recorde com 9,5 toneladas de cocaína apreendidas pela polícia a um navio com bandeira do Panamá.

Grandes remessas passam por Cabo Verde

No dia 1º de fevereiro de 2019 foi realizada a maior apreensão de drogas do país. O navio que escondia o carregamento tinha como destino Tânger, Marrocos. Fez escala de emergência na Praia, na sequência da morte de um tripulante a bordo. A cocaína estava escondida em 260 pacotes, enquanto todos os 11 membros da tripulação eram russos.

Em 2016, 280 kg de cocaína foram apreendidos em um navio de bandeira brasileira. O carregamento de drogas foi interceptado enquanto estava sendo transferido para um iate com bandeira dos Estados Unidos. Durante a operação, quatro brasileiros, um cabo-verdiano e um russo foram presos. A máfia russa é conhecida por operar na área. A Comissão Europeia também alertou sobre o aumento do consumo local de drogas. Os dados sobre até que ponto os habitantes locais são afetados pelo contrabando de drogas em seu país ainda não estão disponíveis. No entanto, o governo está agora cooperando com o UNODC e a UE para a implementação de medidas preventivas.

Indústria do narcotráfico afeta o setor turístico

As redes criminosas ameaçam as autoridades, pois estão interessadas em obter apoio político para seus negócios. As pessoas diretamente envolvidas na luta contra as drogas evitam falar publicamente por medo de represálias. Em 2014, a mãe do principal investigador antidrogas foi morta, e o filho do primeiro-ministro foi ferido em um tiroteio meses depois. Ambos os ataques estavam ligados a uma repressão governamental às drogas.

Cabo Verde é considerado um dos poucos estados africanos que representa um modelo de democracia. Goza de uma instituição estável, violência reduzida e imprensa livre. No entanto, os últimos desenvolvimentos na indústria farmacêutica local ameaçam a reputação de Cabo Verde. A insegurança local e a violência das gangues provavelmente reduzirão a renda obtida com a indústria do turismo. Isso é muito importante para o país, já que suas receitas vêm principalmente do setor de turismo. A melhora está aumentando ligeiramente, pois os esforços constantes das autoridades locais para conter o comércio ilícito de drogas e o crime organizado conquistaram o apoio técnico e financeiro de aliados estrangeiros, como França, Estados Unidos e Portugal.

O dinheiro da droga circula por todo o arquipélago. Dos bairros pobres aos distritos centrais, a sociedade cabo-verdiana está infestada de receitas ilegais que ameaçam vidas locais. Gangues rivais estão cada vez mais violentas, lutando para dominar a máfia clandestina que colabora com os cartéis sul-americanos. Os criminosos estão usando empresas, notários, organizações não governamentais e empresas imobiliárias para lavar dinheiro. O dinheiro da droga está sendo inserido na economia, enquanto muitas transações ainda permanecem descobertas.

Recursos insuficientes para combater o narcotráfico

Cabo Verde dispõe de cerca de 160 policiais e alguns barcos e aviões usados ​​no combate às operações de contrabando de drogas. Cabo Verde não tem capacidade para patrulhar devidamente as suas próprias águas territoriais, uma área maior do que a França. As forças policiais dependem fortemente do apoio da ONU e da UE, bem como das visitas de treinamento da Marinha Real Britânica. É fundamental que as forças cabo-verdianas capturem os carregamentos assim que chegam à costa do arquipélago. Uma vez que os transportes de drogas são entregues à Europa, perseguir a rede e seus produtos torna-se quase impossível.

Em 2018, o governo implementou um programa nacional de cinco anos contra crimes relacionados com drogas. O programa vem como uma resposta às recomendações feitas pelo plano de ação da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental financiado pela União Europeia sobre o tráfico de drogas na África Ocidental. O plano necessita de € 6,3 bilhões. A falta de recursos torna o plano apenas parcialmente operacional. Cabo Verde também contou com o apoio técnico do UNODC, que deu formação às forças policiais.

Como a erradicação total do tráfico de drogas representa uma prioridade de longo prazo, o governo local precisa de fundos substanciais. O plano da UE deverá ser totalmente implementado até 2023. Isso evitará que o país seja rotulado de narco-estado - uma marca que ameaça a estabilidade política e econômica e prejudica a indústria do turismo. No entanto, meios inadequados de sustentar o plano irão paralisar qualquer esforço para diminuir a indústria farmacêutica no país.

A ilegalidade da Venezuela

O sucesso das gangues baseadas em Cabo Verde em colaborar com os cartéis latino-americanos deve-se principalmente à recessão econômica da Venezuela, pela qual passa agora cerca de metade de toda a cocaína destinada à Europa. Com as forças de segurança não sendo pagas, grande parte da costa venezuelana agora está sem lei, tornando muito mais fácil para os carregamentos de cocaína seguirem para a Rodovia 10.

Grande parte do contrabando através da Venezuela é controlado pelo Cartel dos Sóis. O grupo se beneficia de um grupo de chefes de segurança do regime que supostamente patrocinam o regime socialista do presidente Nicolas Maduro. Nos últimos anos, Washington sancionou vários membros do cartel por suspeita de tráfico de cocaína, incluindo chefes da Guarda Nacional e o ex-vice-presidente de Maduro. Mesmo assim, o fluxo de drogas ao longo da Rodovia 10 disparou.

Europa aumenta seu consumo de drogas

A Venezuela está agora lançando vendas agressivas de drogas para a Europa. O aumento da quantidade de cocaína transportada para o continente alarma as forças policiais europeias, que fazem com que os grupos criminosos transnacionais se tornem ainda mais poderosos. Um exemplo é a Grã-Bretanha, que atualmente consome mais cocaína do que qualquer outro país da Europa. Quatro por cento das pessoas com idades compreendidas entre os 15 e os 34 anos admitem utilizá-lo, o dobro da média da UE. Sua popularidade crescente entre a classe média alarmou os chefes de polícia, que acreditam que isso alimenta os esfaqueamentos de gangues em Londres e a violência em “limites do condado”.

Devido aos serviços de mensagens criptografadas como o WhatsApp, os clientes de hoje usam entrega próxima, com preços reduzidos nas ofertas da primeira vez, bônus de fidelidade do cliente e níveis de pureza próximos a 50% do que cinco. Em Cabo Verde, a pena para o uso de drogas é de três meses de prisão, enquanto o contrabando e a produção de entorpecentes são punidos com dois a dez anos de prisão. Essa legislação contra a indústria de narcóticos está entre as mais relaxadas da África Ocidental. Isso se deve às reformas liberais do país que protegem os direitos humanos. No entanto, essas leis pouco fazem para impedir os traficantes de contrabandear entorpecentes nas costas de Cabo Verde.

Fonte:greydynamics.com: https://www.greydynamics.com/cabo-verde-another-narco-state-in-west-africa/; Imagem: ODC das Nações Unidas ( link )

---
Links relacionados:

https://londondailypost.com/luxembourg-invests-in-cape-verde-newest-african-narco-state/?fbclid=IwAR0BoIC5-J3VthcYLZuqS6D4loMvKWyTMgXTcCZpF_yS1-6RQZeNRTvEpFA

https://www.spectator.co.uk/article/what-lockdown-its-business-as-usual-for-drug-traffickers

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project