INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Crise diplomática Israel-Polónia: Embaixador polaco chamado a Varsóvia depois que israelita lhe cuspiu na cara 17 Maio 2019

A Polónia fez regressar o embaixador no mesmo dia do incidente e o primeiro-ministro polaco exigiu que o governo do Estado de Israel "faça todos os possíveis para levar à justiça os responsáveis e impedir que tais incidentes visando os diplomatas polacos se repitam”. O cidadão israelita desculpou-se dizendo que não sabia que era o embaixador e afirmou que tinha, momentos antes, sido alvo de "insultos antissemitas" na embaixada.

Crise diplomática Israel-Polónia: Embaixador polaco chamado a Varsóvia depois que  israelita lhe cuspiu na cara

O sexagenário Arik Lederman, que cuspiu ao representante máximo da Polónia no país do Próximo Oriente, no início desta semana — em plena crise diplomática que levou ao cancelamento na segunda-feira, 13, da visita de Netanyahu a Varsóvia —, foi detido na terça-feira e no dia seguinte apresentado em tribunal por agressão física e ameaças verbais contra o máximo representante diplomático da Polónia em Israel, o embaixador Marek Magierowski.

Segundo fontes israelitas, Lederman residente em Herzliya, uma cidade afluente na costa norte do país, a 20 km de Telavive, estava no lugar onde estacionara o carro quando se deu o incidente com o embaixador que conduzia o carro diplomático, próximo da embaixada, em Jerusalém, segundo o Times of Israel, ou em Telavive segundo o Haaretz e o Jerusalem Post.

Tal como muitas vezes acontece ultimamente, nem os próprios órgãos de comunicação de Israel sabem situar onde estão as embaixadas. Enquanto algumas permanecem em Telavive, outras mudaram-se para Jerusalém na sequência da decisão da presidência de Trump que fez a embaixada americana ser a primeira a instalar-se na cidade santa das três religiões monoteistas.

Agressor pediu desculpas, que Polónia não aceita

As notícias dão conta que o “agressor” detido na terça-feira foi apresentado em tribunal na quarta-feira. Entretanto, o agressor ao saber quem era a sua vítima, a quem cuspiu duas vezes e ameaçou, apresentou desculpas, no mesmo dia: "Não sabia que era o embaixador".

O sexagenário depôs que, ao dirigir-se para o seu carro no estacionamento "habitual", ouviu buzinar e ele "irritado" deu murros no tejadilho do carro. Foi então que o embaixador tentou fotografá-lo e ele "irritado", porque pouco antes tinha sido expulso da embaixada ali perto "com insultos antissemitas", como alegou, abriu a porta do carro e cuspiu duas vezes na cara do ocupante.

O juiz repreendeu o sexagenário Lederman pela sua "atitude inaceitável e vergonhosa" e mandou-o sair sob fiança de meio milhão de xekels (c. 14 milhões CVE).

O incidente, no qual o homem, de 65 anos, proferiu ameças e cuspiu duas vezes ao embaixador, ocorre num momento em que cidadãos de origem judaica em vários pontos do mundo pedem que o país europeu devolva os bens que foram retirados aos seus antepassados na Polónia sob domínio nazi, durante a Segunda Guerra Mundial.

Peritos em diplomacia dizem que, dada a deterioração das relações israelo-polacas devida à sensível questão da devolução patrimonial a privados, não é de surpreender que o primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, faça finca-pé em empolar o incidente. Fontes referidas na peça.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau

blogs

publicidade

Newsletter

Abonnement

Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project