ACTUALIDADE

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Declaração pela proteção dos jornalistas assinada por mais de 50 países 10 Dezembro 2020

Representantes políticos de mais de 50 países assinaram hoje uma declaração que apela à proteção dos jornalistas em todo o mundo, no âmbito de uma conferência organizada pela ONU a partir de Haia, anunciou o Governo holandês

Declaração pela proteção dos jornalistas assinada por mais de 50 países

"Os jornalistas de todo o mundo devem ser mais bem protegidos para que possam cumprir o seu papel de guardiões da democracia", declarou, segundo a Lusa, o ministro dos Negócios Estrangeiros holandês, Stef Blok, na abertura da conferência promovida pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) e co-organizada pelos Países Baixos.

Esta conferência dedicada à liberdade de imprensa está a decorrer a partir da capital holandesa por videoconferência por causa dos constrangimentos impostos pela pandemia da doença covid-19.

"O facto de mais de 50 ministros estarem a participar nesta conferência é algo de novo", acrescentou o chefe da diplomacia holandesa, salientando que isso irá colocar "pressão diplomática" sobre os países que não assinarem a declaração.

Entre os vários intervenientes do encontro, que decorre até quinta-feira, constam a jornalista filipina Maria Ressa, alvo de ações judiciais por criticar as políticas do Presidente Rodrigo Duterte através do seu site noticioso Rappler, a ativista e escritora turca Hatice Cengiz (noiva do jornalista saudita assassinado Jamal Khashoggi), a advogada Amal Clooney, reconhecida como uma das melhores especialistas em direitos humanos, e Matthew Caruana Galizia, jornalista de investigação e filho de Daphne Caruana Galizia, a também jornalista que morreu num ataque com um carro armadilhado em Malta em 2017.

Conforme a mesma fonte, a organização não-governamental (ONG) Repórteres sem Fronteiras (RSF) sublinhou esta semana que a pandemia da doença covid-19 veio exacerbar as ameaças à liberdade de imprensa em todo o mundo.

Regimes autoritários como a China e o Irão estão a aproveitar as restrições impostas para combater a pandemia para reprimir ainda mais os meios de comunicação social, segundo denunciou a RSF.

No âmbito desta conferência, a Federação Internacional de Jornalistas divulgou hoje que 42 jornalistas e profissionais do setor da comunicação social morreram este ano quando exerciam a sua actividade profissional.

Pelo menos outros 235 profissionais estão atualmente detidos por causa de assuntos relacionado com o exercício das suas funções jornalísticas, conclui a Lusa.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project