ESCREVA-NOS

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Derrota de Carlos Veiga: Pedro Alexandre Rocha comenta que concorda com críticas de Emanuel Barbosa e considera que o MpD transforma-se num partido de elite com «jantares e almoçaradas» entre dirigentes 22 Outubro 2021

A derrota de Carlos Veiga nas últimas eleições presidenciais de 17 deste mês continua a provocar reações no interior do MpD e com fortes críticas à liderança de Ulisses Correia e Silva, que é também chefe do atual governo. Desta vez é o militante Pedro Alexandre Rocha, antigo deputado nacional e presidente da Câmara de Santa Cruz, a comentar que concorda com as críticas do deputado nacional Emanuel Barbosa, editadas numa das edições recentes do Asemanaonline (ver link na roda pé desta peça). Rocha retoma a tese segundo a qual as bases do MpD estão abandonadas e que uma elite restrita toma conta do partido, organizando «jantares e almoçaradas em hotéis», longe das estruturas de base.

Derrota de Carlos Veiga: Pedro Alexandre Rocha comenta que concorda com críticas de Emanuel Barbosa e considera que o MpD transforma-se num partido de elite com «jantares e almoçaradas» entre dirigentes

«Concordo consigo (Emanuel Barbosa) em pleno. O MpD nunca foi partido de secretismo. Não podemos aceitar mordaça e muito menos chantagem, com pressão psicológica para nos silenciar. Fórum próprio deixou de existir no MpD. Os militantes de base deixaram de ter fórum», comenta, segundo circula nas redes sociais, o post de Emanuel Barbosa que foi publicado neste jornal.

Pedro Alexandre Rocha acrescenta que agora os militantes de base só são ouvidos no período da campanha eleitoral. «Hoje, no MpD, os problemas só se discutem num grupo restrito que se tornou dono do partido e todo o resto (militantes de base) só é ouvido na próxima campanha».

O antigo deputado ventoinho faz questão de realçar que o MpD se transformou num partido de elite, cujos dirigentes organizam almoços e jantaradas em hotéis, longe dos militantes de base.

«O MpD tronou-se um partido de elite e só mobiliza quando há campanha. Entre os elitistas organizam-se jantares e almoçaradas em hotéis onde o espaço é reservado para quem pode pagar, pois os da base estão logo excluídos e todos saberemos porquê. Assim vai o MpD de campanha em campanha», conclui o antigo presidente da Câmara de Santa Cruz, comentando as críticas do deputado nacional Emanuel Barbosa, que culpa o governo de Ulisses Correia e Silva, por cuasa das medidas impopulares tomadas durante a camapnha eleitoral, pela derrota de Carlos Veiga nas presidenciais de 17 de outubro último.

Link com matéria relacionada:

https://asemana.publ.cv/ecrire/?exec=article&id_article=150121#

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project