ACTUALIDADE

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Dia Forças Armadas: Anildo Morais despede-se enumerando ganhos conseguidos com “empenho” de toda a estrutura 15 Janeiro 2022

O Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, Anildo Morais, declarou hoje que esta será a última comemoração do Dia das Forças Armadas que preside e enumera ganhos conseguidos com “empenho” de toda a estrutura castrense.

Dia Forças Armadas: Anildo Morais despede-se enumerando ganhos conseguidos com “empenho” de toda a estrutura

Em jeito de despedida, o major-general, que já está na idade de reforma, declarou que durante todo o tempo que esteve à frente dos desígnios da instituição elegeu “como prioridade o homem, o recurso mais valioso e indispensável e sobre as quais se centrou a acção do comando”.

Segundo a Inforpress, Anildo Morais, que discursava no acto central da celebração, realizado em São Vicente, enumerou, desta forma, melhorias feitas, entre as quais a aprovação do novo estatuto, do novo sistema de avaliação de mérito, oportunidades de formação, entre outros ganhos.

“Tudo isso foi possível graças ao empenho de toda a estrutura das Forças Armadas, especialmente dos colaboradores directos a quem dirijo uma palavra de agradecimento por todo o suporte conferido”, lançou.

As Forças Armadas cumprem hoje 55 anos na luta em prol da defesa do povo cabo-verdiano, assumindo nos momentos mais críticos da história um contributo, conforme a mesma fonte, decisivo para a edificação e preservação de um Cabo Verde livre e independente.

“A instituição castrense nacional tem sabido adaptar-se aos desafios que lhe são impostos e às exigências decorrentes da natureza das ameaças, da situação política e económica do País e da evolução em matéria de missões não tradicionais que regularmente é chamada a cumprir, conseguindo fazer tudo isso sem se descaracterizar ou enfraquecer a sua capacidade de intervenção”.

Conforme a mesma fonte, Anildo Morais enfatizou o trabalho feito desde o núcleo fundador que jurou perante Amílcar Cabral, aqueles que fizeram a luta na clandestinidade, os que transitaram no momento de independência e os que se seguiram e que “desempenharam um papel fulcral no desenvolvimento da capacidade do País”.

Por isso, exaltou, o legado de 15 de Janeiro deve ser preservado e ampliado.

“Um legado erigido com sangue, suor e lágrimas de todos que com espírito de sacrifício, abnegação, espírito de corpo e patriotismo serviram as nossas Forças Armadas e que se orgulham de fazer parte dessa história”, considerou.

Durante a cerimónia, o Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas e a ministra da Defesa Nacional destacaram alguns militares com medalhas de mérito por comportamento exemplar e serviços relevantes, conclui a Inforpress.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project