LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Dias decisivos no Brasil: Lula e o PT apresentaram seu programa de governo 08 Agosto 2018

Tudo indica, por enquanto, que no dia 7 de outubro haverá eleições presidenciais no Brasil. Em 15 de agosto, o prazo para apresentar as candidaturas é devido; Luis Inácio "Lula" da Silva, é o candidato com maior intenção de votos, mas está preso desde 7 de abril, em cumprimento de uma sentença que tem pena de 12 anos de um Tribunal de Segunda Instância, por crimes não comprovados de corrupção e lavagem de dinheiro.

Por:Jair Bolsonaro *

Dias decisivos no Brasil: Lula e o PT apresentaram seu programa de governo

Há várias alternativas possíveis daqui até outubro: Uma: Que a candidatura de Lula seja aceita pelo Tribunal Eleitoral quando for apresentada em 15 de agosto. Se essa condição iria adquirir grandes levantamentos importância que indicam que Lula lidera as intenções de voto com 30%, seguido pelo candidato ultra-conservador Jair Bolsonaro com 21,8%, e a ambientalista Marina Silva segue-os com 9,2% .

Dois, que a candidatura de Lula não é admitida, dado que a Justiça Eleitoral não aceita candidaturas de pessoas condenadas em segunda instância. Para essas supostas intenções de voto a favor de Bolsonaro com 23,6%, seguido com 14,4% Silva e Ciro Gomes, do Partido Operário Social-Democrata, com 10,7%.

Três: Que o Partido dos Trabalhadores (PT) mude sua decisão e apresente uma candidatura endossada por Lula. Nesse caso, não há dados disponíveis em pesquisas e pesquisas. E quarto: Que a situação resulta em apelos, desafios e conflitos de poderes que tornam a situação instável e imprecisa ou impossível de executar o resultado indicado pelas urnas ... e os militares tomam o poder.

TPI considera Lula preso politico e STF quer rever os recursos

Enquanto isso, o Tribunal Penal Internacional (TPI) de Haia, fez uma declaração na semana passada considerando o ex-presidente Lula como prisioneiro político e exigindo sua libertação imediata por sofrer perseguição política.

O Partido dos Trabalhadores (PT) lançou no sábado 4 em San Pablo, a candidatura do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do Brasil, para "transformar a nação sul-americana um lugar melhor para viver." Lula está preso em Curitiba desde 7 de abril, depois que o juiz Moro o sentenciou a nove anos e seis meses de prisão pelo caso Lava Jato.

Enquanto isso, a imagem do presidente de fato, Michel Temer, que deposto Dilma Rousseff através de um golpe parlamentar continua em parafuso. Esta pesquisa mostrou que 82 por cento dos entrevistados consideram seu governo "muito ruim ou ruim", enquanto apenas três por cento acham que é "ótimo ou bom".

Por outro lado, o Supremo Tribunal do Brasil anunciou esta semana que irá rever nos próximos dias o recurso apresentado pelos advogados do ex-presidente antes de 15 de agosto, quando o prazo para registrar candidaturas para as eleições presidenciais. Juiz Edson Fachin foi nomeado esta semana para se juntar ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e, além de ser responsável por rever o apelo irá avaliar a documentação relativa à apresentação de pedidos de outros candidatos. O magistrado pediu, nas redes sociais, "celeridade" no caso de Lula.

O presidente do TSE, Luiz Fux, ressaltou novamente a intenção da Justiça de evitar a participação de Lula na eleição. Fux declarou que haveria uma "inelegibilidade" evidente na candidatura de Lula. A mais recente demonstração de solidariedade que Lula recebeu é a bênção do Papa Francisco, transmitida, no dia 04 de Agosto, pelo ex-chanceler Celso Amorín.

Constituinte, a proposta de Lula e do PT

O Partido dos Trabalhadores (PT) do Brasil apresentou no sábado 4 o plano do governo Lula (2019-2022) para o povo brasileiro, em um processo democrático livre, soberano, unicameral constituinte, o resultado de um intenso debate sobre a futuro da nação. Dividido em oito eixos, o novo programa de governo visa superar os problemas de investimento público causado pelo presidente de facto Michel Temer, tais como inflação, desemprego e aumento da pobreza extrema.

O plano propõe um imposto sobre rendimento justo, insiste objectivo de promover a soberania nacional e popular , refundar a política externa ativa, com foco na integração e do diálogo multilateral, promover a democracia, o pluralismo e a diversidade e aprofundamento da democracia e capacitar os cidadãos, ativando -os através de dispositivos existentes na constituição, como referendos.

Ele também propõe a promoção e afirmação dos direitos dos cidadãos foi um desses pontos afetados com o golpe Membros levantaram contra Dilma Rousseff, observando que o próximo governo vai se concentrar em democracia e direitos humanos como interdependentes com a luta contra a criminalização dos movimentos sociais.

Também concorda com centralizada em mulheres e promover políticas de igualdade racial e do direito dos jovens, a população de Lésbicas, Gays, Transexuais e Intersex (LGBTI) , crianças, idosos, pessoas com deficiência, pessoas originários, o campo e as águas.

Afirma que a defesa e a promoção dos direitos de comunicação da sociedade serão buscadas, que as comunicações serão livres de controle dos governantes e dos grupos econômicos, assegurando assim a liberdade de imprensa, o pluralismo e o acesso às fontes, de forma diversificada e independente. E ele insiste em fortalecer a importância da universalização da banda larga, a consolidação do Marco Civil da Internet, o fortalecimento da mídia comunitária e a desconcentração dos investimentos em publicidade do Estado.

Sobre os direitos sociais, indica que as pessoas mais pobres voltará a ser uma prioridade através da retomada da expansão do acesso aos direitos sociais com um novo modelo de governança e de devolução de recursos financeiros para estados e municípios para considerar suas limitações institucional, com o retorno da educação e da saúde pública, e priorizando a superação da extrema pobreza.

O PT promoverá uma economia com baixo impacto ambiental e alto valor agregado, que garante o direito à alimentação saudável, água e saneamento, além da produção de alimentos saudáveis, com a redução de agrotóxicos. Promete também a promoção da reforma agrária e dos direitos humanos no campo. Na educação, a prioridade será dada ao ensino secundário, revogando a reforma implementada pelo governo de fato.

Luta de classes disfarçada de religiosa

Não é só no Brasil, mas em toda a América Latina, a tendência geral desta fase dominada pelo grande capital financeiro é a restrição da democracia, o aumento da repressão, a ascensão do racismo e o ódio das classes dominantes aos dominados. que, devido a migrações internas e intra-regionais, são cada vez mais diferenciadas de seus opressores por suas características étnicas ou religiosas.

A maioria são membros brancos e ricos das Igrejas dominadores tradicionais (anglicanos, católicos, judeus), enquanto setores plebeus existem brancos pobres, mas a maioria são indígenas, mestiços e negros pertencentes a minorias religiosas ou não acreditam em deuses. A luta de classes parece, portanto, disfarçado como uma oposição entre religiões e entre a barreira étnica e ideológica que seja manifesto a todos como mais importante do que a divisão de classes, diz o analista Guillermo Almeyra.Resultado de imagem para evangelistas do brasil em campanha

Ele acrescenta que um vasto setor capitalista no Brasil teme a crescente recessão e corrupção e provou a perigosa impopularidade de Temer e do sistema capitalista. A imprensa mais reacionária já está se distanciando abertamente do governo e não acredita na continuidade da linha dura e repressiva do direito tradicional ou do candidato evangelista-fascista de extrema direita Jair Borsonaro. Assim aumentam as condições necessárias para um golpe militar no golpe parlamentar Temer porque as várias facções burguesas não podem fazer um pacto e, em vez disso, começam a temer um perigo a caminho.

Para Almeyra, outra possível para capitalistas brasileiros opção seria repetir mexicana para sair da crise política cooptando uma força popular e de massa (PT), mas com a garantia de que Lula mantém uma posição muito mais conservadora e limitada do que Lopez Obrador, uma opção que parece conduzir no Departamento de Estado e do Pentágono dos EUA sobre a urgência de prevenir o crescimento de radicalização que já está expresso no enterro em massa de Marielle Franco, vereador assassinado do Rio de Janeiro, favela, lésbica, mulata ...
— -

* Pesquisador brasileiro, analista associado ao Centro Latino-Americano de Análise Estratégica (CLAE, www.estrategia.la ) - Fonte: http://www.surysur.net

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade
Cap-vert

Newsletter

Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project