SOCIAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Dirigente da Pró-Praia defende legalização da produção e venda condicionada de canábis e divisas 19 Dezembro 2019

O presidente da Pró-Praia, José Jorge de Pina, propõe que as autoridades nacionais coloquem em pauta “de certa urgência” um estudo com vista a legalizar a produção e consumo condicionado de canábis e da venda de divisas.

Dirigente da Pró-Praia defende legalização da produção e venda condicionada de canábis e divisas

Este posicionamento foi assumido numa missiva enviada à Inforpress, onde José Jorge Pina sugere, entretanto, a formalização dos indivíduos com condições para legais e financeiros para o efeito.

Na mesma carta, o signatário afirma que tem ocorrido, nos últimos dias, “uma activação mais consistente” de campanhas e medidas de proibição da venda de divisas por indivíduos não autorizados legalmente por autoridades competentes.

Com igual acuidade, disse, vem-se discutindo a hipótese de legalizar a produção e consumo condicionados de canábis.

A legalização irá, segundo defendeu José Jorge Pina, potenciar “enormes ganhos” em termos de emprego, de produção de matéria-prima para a indústria medicinal e de rendimento de vastas famílias nos espaços urbanos e rurais, “dificilmente colmatáveis por programas económicos alternativos do governo e municípios”.

Na mesma missiva, o presidente da Pró-Praia escreveu julgar que os objectivos de maior controlo às actividades em questão foram já atingidos por países que o impuseram e confirmaram-se as vantagens apontadas no momento das ponderações efectuadas para se avançar com o processo.

“Vi em Abuja e em Dacar quiosques oficiais a processarem venda (legal) de divisas e não creio que essas actividades tenham sido descontinuadas”, continuou José Jorge de Pina, acrescentando que, se o papel do Estado no que diz respeito a divisas é ter o controlo da massa monetária em divisas transaccionadas no país e a contrafacção, não crê que a legalização virá impedir esse controlo.

De igual modo, defendeu a mesma fonte que o condicionamento de produção, venda e consumo de canábis proporcionará ao Estado “melhores garantias” de controlo dessa actividade, folgando boa parte de dispendiosos esforços dos departamentos de justiça e da polícia na governação do tráfego actual dessa droga leve em Cabo Verde.

“Os ganhos económicos que o Estado extrairá, via impostos, servirão para complementar dispêndios da saúde, justiça, desporto e doutras actividades com escassos fundos para funcionar”, defendeu.

Finalizando, José Jorge de Pina apelou a todos para que, de “mente aberta”, se abram a mais essa “janela de oportunidades” que, disse, “ancorará a modernização e a redinamização das actividades económicas (turismo, finanças, comércio, dentre outros) em curso no arquipélago”. A Semana com Inforpress

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project