REGISTOS

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Eleições nos EUA : DW examina boatos sobre a contagem de votos nos EUA 08 Novembro 2020

Com alguns estados decisivos ainda contabilizando suas cédulas, a equipe de checagem de fatos da DW analisa algumas acusações de fraude referentes ao processo de apuração na eleição americana.

Eleições nos EUA : DW examina boatos sobre a contagem de votos nos EUA

Com a apuração dos votos ainda em curso em diversos estados americanos, é compreensível um certo nervosismo em torno dos resultados das eleições gerais nos Estados Unidos. Acusações infundadas de fraude em grande escala e de contagens manipuladas se alastram pelas redes sociais. Envolvendo informação seletiva ou vídeos editados, tais alegações traçam um quadro falso de improbidade.

A equipe de checagem de fatos da DW foi atrás de alguns dos boatos que mais atraíram atenção. Confira outros aqui.

1. Cédulas incineradas?

Boato:

Eric Trump, filho do presidente Donald Trump, retuitou um vídeo em que, segundo ele, 80 votos postais estariam sendo queimados. O vídeo se alastrou nas redes sociais, sendo assistido mais de 1 milhão de vezes, foi retirado e depois novamente postado repetidas vezes, além de retuitado por dezenas de milhares de contas.

Para muitos, tratava-se da prova daquilo que vários republicanos – inclusive o presidente – vinham alegando falsamente há semanas: que a votação postal convidaria à fraude e seria mais suscetível a adulterações.

Fato:

As cédulas destruídas no vídeo são apenas amostras eleitorais de Virginia Beach, como esclareceu a prefeitura da cidade em seu website. Os funcionários municipais chamaram a atenção para a ausência dos códigos de barra encontrados nas cédulas reais. Portanto, nenhum voto de Trump foi cancelado.

2. Contagens unilaterais?

Boato:

Num post do Twitter, posteriormente partilhado no Facebook, um usuário alegava: "Wisconsin fez uma pausa [nas apurações], e depois voltou. Coincidentemente, Biden voltou com uma dianteira de 100 mil... é assim que acontece, gente."

Também em outros estados tem havido alegações semelhantes de que lotes de votos, principalmente por correspondência, estão chegando unilateralmente a favor do ex-vice-presidente Joe Biden.

Fato:

Para grupos populacionais vulneráveis e os que se preocupam com os riscos do coronavírus à saúde de suas famílias, o correio foi provavelmente a via mais segura para votar. Contudo, durante toda a eleição, Trump e outros republicanos têm posto em questão não só o voto postal quanto as medidas anti-covid-19.

A DW esteve entre os muitos veículos que previram que as primeiras apurações no dia da votação tenderiam a favor do atual presidente, mas depois da contagem dos votos postais válidos, a vantagem iria para Joe Biden. Uma consulta do Pew Research Center anterior à eleição indicava que 25% dos apoiadores de Trump votariam à distância ou pelo correio, contra 51% dos de Biden.

Além disso, alguns estados só permitem que a contagem dos votos postais comece no dia da eleição, e constam entre eles os principais "estados campo de batalha" ou swing states, Wisconsin, Geórgia, Nevada e Pensilvânia. Com a avalanche inédita de cédulas entregues pelo correio – em grande parte por causa da pandemia – a apuração leva mais tempo do que de costume.

Um exemplo é Wisconsin. Segundo o jornal Green Bay Gazette, Trump tinha uma dianteira de mais de 100 mil votos antes de a cidade de Milwaukee divulgar os resultados dos votos à distância, que deram a Biden vantagem de 8 mil, a qual se ampliou para 20 mil votos com a chegada dos resultados de Green Bay e Kenosha.

Alguns municípios do Wisconsin contam junto os votos pessoalmente e à distância, e seus resultados são liberados todos de uma vez. Outros, como a grande área metropolitana de Milwaukee, contam os votos à distância num local central, e os totais não são divulgados antes que o último deles seja computado. A isso se deveu o aumento de votos para Biden.

A afirmação de que "Wisconsin fez uma pausa" tampouco procede, pois os apuradores não interromperam suas atividades. Meagan Wolfe, chefe da equipe eleitoral, declarou em coletiva de imprensa na quarta-feira (04/11): "Nossos funcionários municipais e distritais trabalharam incansavelmente noite adentro, para assegurar que toda cédula válida fosse contada e registrada precisamente."

3. Votos em caixa preta?

Boato:

Um vídeo nas redes sociais mostra um homem empurrando um carrinho vermelho para dentro de um centro de apuração eleitoral de Detroit, Michigan. Mais tarde, usuários alegaram que nele estaria uma caixa preta contendo 130 mil votos. Um artigo do site conservador Texas Scorecard afirmou tratar-se de um caso de fraude exposta.

Fato:

A alegação é falsa. O homem em questão é um câmera de TV transportando equipamento para a cobertura da noite de apurações. A emissora WXYZ desbancou o boato ao mostrar o carrinho suspeito e a caixa com material de videografia.

Numa entrevista a um show conservador no Youtube, em 4 de novembro, a advogada Kellye SoRelle, do Texas, que gravou o vídeo, sugeriu que a caixa poderia conter cédulas inválidas, mas sem confirmar que as tivesse visto. Contudo a caixa preta sendo transferida era "muito semelhante à caixa que nós havíamos visto e estávamos observando e monitorando".

"A preocupação era só de segurança. Não sabíamos realmente o que estava acontecendo, ou que itens eles estavam transportando para dentro", acrescentou. Indagada se podia se tratar de cédulas falsas, SoRelle confirmou: "Com toda certeza. Aqui é um ’estado campo de batalha’, nós viemos para Michigan para ajudar a Trump, por que este estado está sob fogo."

Um comunicado da WXYZ confima, no entanto, que a acusação de fraude não procede. Neste ínterim, o artigo do Texas Scorecard foi retirado do ar. C/DWAfrica

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project