LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

ENTREVISTA/Guiné-Bissau: Portugal em "silêncio cúmplice" face a regime "totalitário" na Guiné-Bissau - PAIGC 17 Setembro 2022

O presidente do PAIGC lamentou o “silêncio cúmplice” de Portugal face às violações dos direitos do povo da Guiné-Bissau por parte de um regime “totalitário”, liderado pelo chefe de Estado, que “investe em mecanismos de repressão”.

ENTREVISTA/Guiné-Bissau: Portugal em

Em entrevista à agência Lusa em Lisboa, Domingos Simões Pereira referiu que atualmente “a comunidade internacional tem falta de liderança”, mas lamentou sobretudo a posição de Portugal.

Pela relevância que Portugal tem junto da União Europeia, junto das Nações Unidas e de outras organizações, de facto, o seu silêncio é cúmplice, porque não se limita a ser um silêncio, já houve manifestações de apoio, já houve manifestações de aproximação sem serem acompanhadas de uma tentativa de compreender a realidade”, referiu o líder do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC, na oposição).

Domingos Simões Pereira considerou que este silêncio “preocupa muito” a comunidade guineense em Portugal, que “acompanha e vê o povo português como um povo irmão” e “tem dificuldades em compreender determinados sinais” em vez de apoio para “tentar ajudar a ultrapassar essas situações”.

O dirigente do PAIGC considera que o chefe de Estado guineense quer um poder totalitário e investe em meios de repressão do povo em vez de assegurar as suas necessidades básicas.

Neste momento há um investimento forte da administração, portanto do Governo guineense, não nas escolas, não nos hospitais, não naquilo que é do interesse do povo guineense, mas nos mecanismos de repressão, na aquisição de meios para o controlo de manifestações, para a intimidação do povo”, disse.

Simões Pereira, quando instado a dar exemplos dessa repressão, referiu que as pessoas são espancadas por qualquer motivo. “Isto entrou para o dia-a-dia do cidadão guineense, o cidadão guineense hoje é espancado porque, por exemplo, rezou num dia em que não devia rezar”.

O próprio líder do PAIGC já foi diversas vezes impedido de sair do país, considerando que as ordens judiciais nesse sentido derivam de ordens políticas do regime guineense.

Domingos Simões Pereira referiu ainda a contradição das decisões do Governo como, por um lado, mandar para casa cerca de 1.000 médicos “porque o processo de recrutamento foi considerado menos transparente” e, por outro, “recruta mais de 10.000 agentes de segurança, quase como um exército paralelo”.

Neste sentido, considerou que “a perceção que Umaro Sissoco Embaló tem do poder é o totalitarismo”.

Para ele a democracia é: ele dá ordens e os outros executam. E quando o que está a ser executado lhe parece não coincidente com o seu interesse e as suas ordens, ele pensa que tem o direito de chamar as forças de segurança e as forças de defesa para corrigirem aquilo que ele entende estar mal”, disse, referindo-se ao Presidente.

Questionado sobre com que armas pretende combater este regime, disse que é preciso continuar “a alertar o povo guineense” de que os seus direitos “estão a ser postos em causa”.

Impõe-se neste momento que o povo se mobilize, que o povo compreenda a importância de assegurar os seus direitos fundamentais e as suas liberdades e todos juntos podermos realmente pôr fim a esta tentativa de sufoco da sociedade e dos direitos do povo guineense”, defendeu. A Semana com Lusa

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project