INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

EUA: Biden proclama sucesso no Afeganistão, promete mais retaliação contra IS-K — "Ele tem de pedir desculpa" 01 Setembro 2021

"Eu não ia prolongar uma guerra eterna. E eu não ia prolongar uma saída para sempre", assumiu o presidente dos Estados Unidos no seu discurso à nação, ao fazer a defesa da decisão do fim da guerra e lembrou desafios mais importantes. Um deles é o combate ao Estado Islâmico que matou cerca de 180 pessoas no atentado suicida do aeroporto, na quinta-feira.

EUA: Biden proclama sucesso no Afeganistão, promete mais retaliação contra IS-K —

No seu discurso televisivo na Casa Branca na terça-feira, 31 — que acontece no momento em que está fragilizado pelos acontecimentos em Cabul nos últimos dias —, Joe Biden agradeceu aos operacionais da ponte aérea que tirou mais de 120 mil pessoas de Cabul e aos "13 heróis que deram as suas vidas" no atentado terrorista.

Biden tentou passar uma imagem positiva dos acontecimentos, ao declarar um "extraordinário sucesso" da "missão de misericórdia", sem precedentes na história.

"O extraordinário sucesso desta missão deveu-se à incrível capacidade, bravura e coragem altruísta dos militares dos Estados Unidos e dos nossos diplomatas e profissionais dos serviços secretos", disse.

O presidente destacou que 90% dos norte-americanos que queriam partir fizeram-no e a missão teve sucesso em retirar cerca de 5.500 cidadãos. Lembrou que os talibãs prometeram publicamente, "em transmissões na televisão e na rádio do Afeganistão", que vão dar "passagem segura para qualquer pessoa que queira partir, incluindo aqueles que trabalharam ao lado dos americanos".

"Não acreditamos neles apenas pela sua palavra, mas pelas suas ações. E temos influência para garantir que esses compromissos sejam cumpridos", assegurou Biden.
Biden argumentou que a decisão tomada foi a melhor para os Estados Unidos.

"Ao ISIS-K: ainda não terminámos"

Biden enfatizou que não há necessidade de manter "botas no terreno", muito menos de "continuar a gastar dinheiro numa guerra que já custou dois biliões de dólares". "Eu não ia prolongar uma guerra eterna. E eu não ia prolongar uma saída para sempre", afirmou.

Agora sem uma base militar na região, todavia Biden prometeu dar luta ao ramo do Estado Islâmico no Afeganistão.

"Ao ISIS-K, ainda não terminámos", avisou. Promete uma "estratégia dura, implacável, direcionada e precisa" para responder ao ataque reivindicado pelo ramo afegão do Estado Islâmico —ISIS-K — na semana passada. Mais de 170 pessoas morreram no aeroporto da capital afegã enquanto procuravam fugir do país.

"A ameaça do terrorismo continua, mas mudou. A nossa estratégia também precisa de mudar", rematou Biden.

Biden tem de pedir desculpa

Oposição republicana, críticos dentro do Partido Democrata, académicos, ... muitas são as vozes que deploram a forma "caótica" com decorreu a retirada.

O académico Michael Kazin especializado na história do Partido Democrata, em entrevista ao Le Figaro, não hesita em aconselhar o presidente dos Estados Unidos a "pedir desculpa ao povo americano".

Segundo Kazin no domingo: "O caos dominou nesta operação". Refere o "choque" que "foi para os americanos" o atentado da quinta-feira passada: "Pensámos que isso já era uma coisa do passado".

"A culpa está na falta de preparação da saída das tropas e da retirada das pessoas que queriam sair", diz assertivo.

"O presidente tem de pedir desculpa", na mesma linha dos pedidos de desculpa de Bill Clinton (no caso Monica Lewinsky) em 1998, de J.F. Kennedy na fracassada invasão a Cuba, em 1961, referiu o académico.

"Fica-lhe bem pedir desculpa, e não ficar na defensiva como fez na quinta-feira". "Fica-lhe bem reconhecer que o exército não esteve à altura", acentuou Kazin.
— -
Fontes: NY Times/Washington Post/CNN... Relacionado: Estado Islâmico faz 170 mortos, inúmeros feridos em Cabul — Presidente Biden avisa: "Vamos caçar-vos e vão ter de pagar", 27.ago.021; Cabul: Míssil dos EUA errou alvo e matou família de 10 com 6 crianças — Pentágono vai investigar "ação motivada por ameaça iminente", 30.ago.021; Afeganistão: Tropas têm de sair antes de 31, têm menos de 6 dias para retirar largas ’dezenas de milhares de afegães em perigo’ — Refúgios na UE, US, Ruanda, .... e até Panjshir, 25.ago.021. Foto (NYT): Presidente Biden em transmissão televisiva da Casa Branca defende na terça-feira a muito criticada saída da missão no Afeganistão.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project