INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

EUA: Biden reitera a Zelensky compromisso com defesa da soberania ucraniana 14 Fevereiro 2022

Joe Biden garantiu a Volodymyr Zelensky que os Estados Unidos responderão de forma "rápida e decisiva", em conjunto com os seus aliados, a uma eventual agressão militar russa na Ucrânia.

EUA: Biden reitera a Zelensky compromisso com defesa da soberania ucraniana

O Presidente dos Estados Unidos conversou hoje por telefone com seu homólogo ucraniano, a quem reiterou o seu compromisso com a soberania e a integridade territorial da Ucrânia face a um eventual ataque da Rússia.

Segundo a Lusa que cita um comunicado divulgado pela Casa Branca, Joe Biden garantiu a Volodymyr Zelensky que os Estados Unidos responderão de forma "rápida e decisiva", em conjunto com os seus aliados, a uma eventual agressão militar russa na Ucrânia.

Na conversa telefónica que durou cerca de 51 minutos, os líderes norte-americano e ucraniano decidiram ainda manter a via diplomática como forma de diminuir a tensão que resulta da concentração de forças militares russas junto à fronteira com a Ucrânia.

No sábado, os Presidentes dos EUA e Rússia mantiveram a divergência sobre a Ucrânia, com Biden a avisar Putin para "custos severos e rápidos" se Moscovo invadir a Ucrânia e o Kremlin a denunciar a "histeria dos Estados Unidos".

Já este domingo, em entrevista ao canal televisivo CNN, o conselheiro nacional de segurança da administração dos Estados Unidos, Jake Sullivan, referiu que uma invasão russa da Ucrânia pode acontecer "a qualquer momento".

"Não podemos prever o dia exatamente, mas uma invasão russa da Ucrânia pode começar a qualquer momento, inclusive nesta semana", avançou Jake Sullivan.

Segundo a mesma fonte, o Ocidente acusa a Rússia de ter concentrado dezenas de milhares de tropas junto às fronteiras da Ucrânia para invadir novamente o país vizinho.

Os Estados Unidos alertaram na sexta-feira que um ataque russo pode acontecer "a qualquer momento" e pediram aos seus cidadãos que abandonassem o país rapidamente.

Desde então, dezenas de governos, incluindo o de Portugal, aconselharam os seus cidadãos a sair da Ucrânia.

A Rússia nega pretender invadir a Ucrânia, mas condiciona o desanuviamento da crise a exigências que diz serem necessárias para garantir a sua segurança.

Essas exigências incluem garantias juridicamente válidas de que a Ucrânia nunca fará parte da NATO e o regresso das tropas aliadas nos países vizinhos às posições anteriores a 1997.

Os Estados Unidos e os seus aliados da NATO e da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) recusam tais exigências, refere a Lusa. Foto: AFP

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project