INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

EUA: Comissão diz que as provas reunidas são suficientes para acusar Trump 13 Junho 2022

Membros da comissão parlamentar que investiga o assalto ao Capitólio afirmaram hoje que descobriram provas suficientes para o Departamento de Justiça acusar o ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump de tentar anular os resultados das eleições de 2020.

EUA: Comissão diz que as provas reunidas são suficientes para acusar Trump

"Gostaria de ver o Departamento de Justiça investigar qualquer alegação credível de atividade criminosa por parte de Donald Trump", defendeu, segundo a Lusa, o deputado democrata Adam Schiff, membro da comissão, que também lidera a Comissão de Informações da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos.

O deputado democrata pela Califórnia argumentou: "Existem certas ações, parte dessas diferentes linhas de esforço para derrubar a eleição, que não vejo evidências de o Departamento de Justiça estar a investigar".

A comissão parlamentar que está a investigar o papel do ex-presidente norte-americano Donald Trump no assalto ao Capitólio disse, na quinta-feira, que a agressão não foi um momento espontâneo, mas uma "tentativa de golpe".

Na apresentação das primeiras conclusões sobre a investigação, a comissão revelou um vídeo de 12 minutos, nunca antes visto, com momentos do assalto violento e testemunhos do círculo mais íntimo de Trump.

O painel argumentou que as repetidas mentiras de Trump sobre fraude eleitoral e o esforço público para impedir a vitória de Joe Biden, nas eleições de 2020, levaram ao ataque e colocaram em perigo a democracia norte-americana, segundo a agência Associated Press.

Segundo a mesma fonte, o deputado Adam Schiff sustentou hoje, segundo a agência Associated Press, que "quando as evidências são acumuladas pelo Departamento de Justiça, é preciso tomar uma decisão sobre se pode provar a um júri, além de qualquer dúvida razoável, a culpa do Presidente ou de qualquer outra pessoa".

"Mas se houver evidências credíveis, precisam de ser investigadas, e eu acho que existem", reforçou.

Novas provas deverão ser reveladas na próxima semana que poderão demonstrar como Trump e os seus conselheiros se envolveram num "esforço maciço" para espalhar a desinformação e pressionarem o Departamento de Justiça a aceitar falsas alegações, avança ainda a Associated Press.

Os membros da comissão indicaram hoje que a pessoa mais importante que deverão ainda ouvir poderá ser o procurador-geral Merrick Garland, que deve decidir se o seu departamento pode e deve processar Trump, mas não têm dúvidas de que os indícios são suficientes.

Outro deputado democrata, Jamie Raskin, disse que não pretende "intimidar" Garland, mas observou que a comissão já expôs em petições legais uma variedade de estatutos criminais que acreditam que o ex-presidente violou.

"Eu acho que ele [Trump] sabe, os seus colaboradores sabem, os procuradores sabem, o que está aqui em jogo", sublinhou Raskin.

Donald Trump — que ainda na quinta-feira elogiou a invasão do Capitólio como um movimento histórico para "tornar a América grandiosa novamente" - tem vindo a insinuar que se irá recandidatar às eleições para a presidência dos Estados Unidos em 2024.

Naquele dia, milhares de apoiantes do ex-presidente republicano reuniram-se em Washington num comício para denunciar o resultado da eleição de 2020, de que Trump saiu derrotado.

As imagens de uma multidão a invadir a sede do Congresso dos Estados Unidos chocaram o mundo.

Por muitos meses, a chamada Comissão 06 de janeiro — sete democratas e dois republicanos — ouviu mais de mil testemunhas, incluindo dois filhos do ex-presidente e analisou 140 mil documentos para esclarecer a responsabilidade exata de Donald Trump no evento que abalou a democracia norte-americana.

Os apoiantes da comissão consideram este trabalho essencial para garantir que um dos episódios mais sombrios da história dos Estados Unidos nunca se repita.

No entanto, a maioria dos republicanos denuncia o trabalho do grupo de congressistas eleitos da comissão como uma "caça às bruxas", refere a fonte deste jornal.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project