LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Eleições Legislativas marcadas para 18 de abril e presidenciais a 17 de outubro: Partidos políticos concordam com as datas marcadas pelo PR 12 Janeiro 2021

O presidente Jorge Carlos Fonseca confirmou hoje, (3ªfª, 12), a data das próximas eleições: as legislativas em 18 de abril e as presidenciais em 17 de outubro. Os partidos políticos com e sem assento parlamentar (MpD, PAICV, UCID, PP) anunciam que estão de acordo com as datas marcadas para os dois atos eleitorais deste ano em Cabo Verde.

Eleições  Legislativas marcadas para   18 de abril e presidenciais a 17 de outubro: Partidos políticos concordam com as datas marcadas pelo PR

Vem aí mais duas provas politicas de fôlego: eleições gerais e presidenciais deste ano. As formações políticas com e sem assento parlamentar em Cabo Verde manifestaram-se, segundo declarações à imprensa, de acordo com as datas marcadas hoje pelo Presidente da República: eleições legislativas a 18 de Abril e presidenciais a 17 de Outubro deste ano.

Com isso, os partidos políticos começam já a preparar para os dois atos, com destaque para as legislativas em que, depois das propostas das estruturas concelhias e regionais, estão sobre a mesa as listas de candidaturas para os 11 círculos eleitorais do pais e 3 da Diáspora. Como e já habitual neste momento alto da competição interna entre dirigentes, depois das triagens a nível das direções nacionais das formações políticas, principalmente entre os do arco do poder (MPD e PAICV), surgirão os descontentamentos de rotina entre os selecionados e excluídos do processo.

Todos os partidos estão de acordo com as datas para as duas eleições. Em declarações à Inforpress, a secretária geral do Movimento para a Democracia (MpD), Filomena Delgado, afirmou que, já quando os partidos políticos foram auscultados pelo Presidente da República (PR), o MpD tinha apontado a marcação das datas entre Março e Abril.

“O presidente, ao anunciar as datas, referiu-se sobre os vários factores que ponderou para a marcação das eleições, particularmente, a questão do recenseamento na diáspora”, disse sublinhando que o MpD está “completamente de acordo” com o anúncio da data, ou seja, 18 de Abril para as legislativas.

Perante este anúncio, Filomena Delgado espera que se cumpra com as directrizes do Chefe do Estado, no sentido de haver esforços para que se possa recensear um maior número de pessoas na diáspora, apesar da crise da pandemia em alguns países.

Ainda segundo a secretaria-geral do MpD, o partido no poder está preparado para qualquer data anunciada pelo PR.

Jã para o líder parlamentar do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), Rui Semedo, é normal que o Presidente da República marcasse as datas de eleições dentro das balizas estabelecidas na legislação do país.

“Ele ouviu os partidos políticos, pelo que consideramos a data normal e concordamos, apesar da expectativa do partido era que Jorge Carlos Fonseca tomasse essa decisão mais cedo, pois, se tivesse marcado as datas mais cedo seria evitado a nomeação do governador do Banco de Cabo Verde nas circunstâncias que foi feita”, observou segundo a Inforpress.

Rui Semedo espera, contudo, que a partir desta decisão do PR, o Governo seja mais comedido nas suas acções de campanha eleitoral e eleitoralistas que, no seu entender, poderão pôr em causa “os princípios básicos da democracia”.

Neste âmbito, apela a todos os responsáveis pelo processo eleitoral a estarem atentos às medidas eleitoralistas que poderão favorecer o uso de meios de estado a desfavor dos outros concorrentes.

Semedo augura assim que o período de pré-campanha decorra dentro dos princípios éticos e valores democráticos, e apela ao governo a criar todas as condições para que os cabo-verdianos na diáspora possam recensear e participar no voto nas eleições marcadas para 18 de Abril.

Por sua vez, o vice-presidente da União Cabo-Verdiana Independente e Democrática (UCID) e deputado nacional pelo mesmo partido, João Santos Luís, disse em declarações à RCV que a UCID está satisfeita com a data encontrada pelo PR.

Conforme João Luís, a UCID já tinha proposto as eleições legislativas para Abril, num encontro com Jorge Carlos Fonseca e ele, dentro das suas competências, “conseguiu destrinçar três aspectos que são fundamentais para o partido democrata-cristão”.

O primeiro aspecto, explicou, é o de não prorrogação de nenhum dia de mandato do PR, tendo marcado para 17 de Outubro as eleições presidenciais. O segundo é que “teve em conta as festas religiosas da Páscoa e da Semana Santa”, e o terceiro, foi a questão do “recenseamento no estrangeiro que não conseguiu iniciar em todos os países onde Cabo Verde tem seus filhos”.

“É uma data de equilíbrio como disse e bem o PR. Mas, também temos que lembrar que estamos a viver um momento de pandemia e que todos os partidos políticos que irão concorrer a estas eleições terão que ter em conta esta pandemia para evitarmos aglomerações desnecessárias para depois não virmos a sofrer com mais casos da covid-19 em CV”, adiantou, segundo a Inforpress, João Luís.

O presidente do Partido Popular (PP), Amândio Barbosa, também manifestou-se, por seu turno, “totalmente de acordo” com as datas anunciadas por Jorge Carlos Fonseca, salientado, por outro lado, que quando o partido foi auscultado tinha indicado o dia 25 de Abril com a data mais provável.

“É a data ideal para as eleições legislativas, apesar dos problemas que pode causar para o recenseamento dos cabo-verdianos na diáspora”, disse, realçando que as decisões do país não podem parar por causa da pandemia, conclui a fonte deste jornal.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project