LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Em Cabo-Verde :Militantes do PAIGC incentivam candidatura de Simões Pereira às eleições presidenciais de novembro 19 Julho 2019

A comissão política do PAIGC em Cabo Verde manifestou hoje apoio a uma eventual candidatura de Domingos Simões Pereira às eleições presidenciais na Guiné-Bissau, considerando que o líder do partido tem melhores condições para liderar o “renascimento” do país.

Em Cabo-Verde :Militantes do PAIGC incentivam candidatura de Simões Pereira às eleições  presidenciais de novembro

“Na sequência das movimentações políticas na Guiné-Bissau, a comissão política do PAIGC em Cabo Verde vem, por este meio, manifestar publicamente o seu apoio ao engenheiro Domingos Simões Pereira, a quem encoraja a assumir a candidatura às próximas presidenciais, apresentando o seu projecto nas primárias do partido”, manifestou em conferência de imprensa o presidente da comissão política do partido em Cabo Verde, Pedro Barbosa Mendonça.

O responsável político indicou que a comissão tomou a posição após recolher mais de 1.500 assinaturas de guineenses residentes em todo o país a apoiar uma eventual candidatura do líder do partido às eleições presidenciais, marcadas para Novembro. Rodeado de outros membros do partido, Pedro Barbosa Mendonça disse que Domingos Simões Pereira é a pessoa que neste momento tem “melhores condições para liderar o renascimento do país”, após cinco anos mergulhados em sucessivas crises políticas.

Apesar de ainda não ter manifestado intenção de se candidatar, Barbosa Mendonça disse que a comissão política incentiva Domingos Simões Pereira a avançar porque “acredita que poderá ajudar a resolver problemas candentes na Guiné-Bissau”.

“O presidente do partido ainda não se posicionou definitivamente se vai candidatar ou não, é por isso que estamos a solicitar essa candidatura. Achamos que tem melhor projecto para a Guiné-Bissau”, prosseguiu o dirigente partidário guineense residente em Cabo Verde.

Sobre o facto de o presidente da Assembleia Nacional Popular e primeiro-vice-presidente do PAIGC, Cipriano Cassama ter já anunciado candidatura às presidenciais, Pedro Barbosa Mendonça afirmou que há “regras e princípios” dentro do partido e que quem vai decidir que candidato apoiar é o comité central, que é órgão máximo entre os congressos.

Quem também já anunciou a candidatura, mas como independente, é o antigo primeiro-ministro Carlos Gomes Júnior, afirmando que quer “restituir a confiança” aos cidadãos, das instituições do Estado e ainda a credibilidade internacional do país.

Após a nomeação de um novo governo, o líder do PAIGC em Cabo Verde disse todos os guineenses acreditam que “é desta vez” que o país vai avançar.

“Chegou o momento que os guineenses devem pôr a mão na consciência e trabalhar para o desenvolvimento do país e os sinais que estão chegando demonstram que os guineenses estão a consciencializar-se nesta perspectiva, de fazer um trabalho em conjunto para o bem do país e não para interesse pessoal”, disse.

Uma grave crise política teve início da Guiné-Bissau em 2015 após o Presidente guineense, José Mário Vaz, ter demitido das funções de primeiro-ministro o presidente do PAIGC, partido que venceu as legislativas em 2014, acusando-o de corrupção e nepotismo.

A crise levou ao encerramento do parlamento do país e, apesar da mediação da CEDEAO, o chefe de Estado nomeou sete primeiros-ministros, um dos quais duas vezes. A Semanacom Lusa

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project