INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Embaixadora dos Estados Unidos na ONU surpreende com demissão, mas Trump conta com ela 10 Outubro 2018

Esta terça-feira, 9, a embaixadora Nikki Haley comunicou oficialmente a sua demissão sentada ao lado do presidente na Sala Oval. E promete que o vai apoiar na recandidatura em 2020.

Embaixadora dos Estados Unidos na ONU surpreende com demissão, mas Trump conta com ela

"Acredito que os mandatos têm um prazo-limite", afirmou a embaixadora Nimrata "Nikki" Randhawa Haley ao anunciar que vai deixar o cargo em dezembro.

“Foi uma bênção estar todos os dias nas Nações Unidas com coletes à prova de balas para defender os Estados Unidos”, disse a ex-governadora da Carolina do Sul — donde saiu para ocupar a missão na ONU " durante dois anos muito intensos".

Haley expressou satisfação por ter trabalhado com o presidente e declarou que voltará a trabalhar com ele na sua recandidatura. Justifica a sua saída limitando-se a dizer que "é preciso saber quando é tempo de dar lugar a outra pessoa".

A imprensa tenta descortinar, por trás das suas "palavras muito diplomáticas", o que seriam "as razões para a sua saída". Para o New York Times, Haley terá estado sob permanente stress dado que ela "foi por vezes crítica das decisões diplomáticas do presidente Donald Trump".

O Washington Post lembra que em várias peças este diário republicano tem vindo a alertar a ex-governadora republicana sobre o desgaste que a sua imagem estava a sofrer.

Há um mês a própria Haley escreveu uma tribuna no Washington Post para defender a administração : "Quando discordo do presidente, faço-o de modo direto. O meu colega anónimo também devia ter agido assim". Ela referia-se criticamente a um editorial anónimo publicado no New York Times.

Haley, que tinha mesmo chegado a criticar o candidato Trump com alguma dureza durante a campanha presidencial, na altura em que apoiou primeiro Marco Rubio e depois Ted Cruz, desde que foi escolhida para o cargo que agora deixa, defendeu sempre as posições da presidência de Trump. Essas virtudes são destacadas por várias publicações, entre elas o Times of Israel que publica nesta terça-feira, um extenso artigo sobre a embaixadora americana na ONU amiga de Israel.

Trump compreensivo com a decisão

A demissão de Nikki Haley anunciada nas vésperas das eleições de novembro é, para alguns um erro no ’timing’, que deveria exasperar Tump, mas este fez logo saber que Nikki lhe tinha comunicado a sua vontade de sair desde abril".

”Ela fez um trabalho fantástico”, declarou Trump – que tem esperança de que ela diga sim quando ele a convidar a regressar.

Diplomacia de risco

Entre "os coletes à prova de balas", que Nikki Haley referiu, estará decerto o caso da Coreia do Norte, na fase em que os Estados Unidos ameaçavam invadir o lado norte da península coreana para acabar com o regime de Kim Jong-Un. Outro foi quando Trump decidiu retirar o país do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas.

Mas também a decisão do presidente Trump de conceder a Jerusalém o estatuto de capital política de Israel foi também muito difícil de gerir. As imagens mostram os a embaixadora dos Estados Unidos a colocar-se na contramão da quase totalidade do hemiciclo, contra a decisão. Haley teve muitas vezes de gerir a stressante situação de não saber qual seria o passo seguinte do imprevisível, errático presidente Donald Trump.

Fontes: referidas /Foto (Reuters): Nikki Haley, embaixadora dos Estados Unidos nas Nações Unidas, esta terça-feira, 9, na reunião com o presidente Donald Trump, no gabinete Oval da Casa Branca

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade



Mediateca
Cap-vert

blogs

Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project