INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

"Entrevista do século à Lady Di": Jornalista pede desculpa a William e Henry, mas nega ter culpa na doença mental de Diana 25 Maio 2021

Martin Bashir e o seu então superior hierárquico na BBC são fustigados no relatório divulgado na sexta-feira, sobre a investigação — conduzida pelo "juiz John Dyson, reformado do Supremo Tribunal" — à "entrevista do século à Lady Di". O jornalista é acusado de ter falsificado documentos para levar a princesa de Gales a deixar-se entrevistar em finais de 1995. Tony Hall, ex-diretor da BBC, acaba de demitir-se da presidência da National Gallery. William congratula-se com a investigação que prova que os responsáveis da BBC falharam a Diana devido à sua "grave incompetência" e à recusa em dar seguimento a queixas quanto à atuação de Bashir, e que a "forma enganosa" como a entrevista foi obtida influenciou as declarações da sua mãe (que faleceu em agosto de 1997, aos 36 anos).

O presidente da emissora pública, Richard Sharp, disse que a BBC aceita as conclusões da investigação, que mostram que "houve falhas inaceitáveis".

John Birt, diretor-geral da BBC na época da entrevista pediu desculpas a Charles Spencer num comunicado: "Agora sabemos que a BBC abrigou um repórter desonesto", "que inventou um testemunho elaborado e detalhado, mas totalmente falso, das suas relações com o conde Spencer e a princesa Diana", disse.

O relatório levou também o ex-presidente da BBC — Tony Hall, criticado pela sua "lamentável ineficácia" na investigação que conduziu em janeiro de 1996 sobre a alegada manipulação para obter a entrevista com ’Lady Di — a anunciar este sábado que se demite do seu cargo atual de presidente da National Gallery.

"Como disse há dois dias, lamento muito os acontecimentos de há 25 anos e acredito que a liderança significa assumir a responsabilidade", disse em comunicado publicado pelo museu londrino.

Martin Bashir (na foto, à d.ta) pede desculpas aos dois filhos de Diana. Mas este jornalista que obteve o furo do século — com a entrevista à princesa de Gales sobre a vida com Carlos, herdeiro do trono do Reino Unido, de quem estava separada — nega as acusações de falsificação.

Afastado da BBC desde outubro por razões de saúde, o jornalista britânico de origem paquistanesa continua de baixa médica (ver abaixo intertítulo).

Numa declaração extremamente dura, William diz que os responsáveis da BBC falharam a Diana devido à sua "grave incompetência" e à recusa em dar seguimento a queixas quanto à atuação de Bashir.

William acusa os funcionários de terem "mentido e usado documentos falsos para obter a entrevista" com a sua mãe, tendo também feito "declarações terríveis e falsas sobre a família real que afetaram os medos e alimentaram a paranóia" de Diana e ainda que foram "evasivos nas suas reportagens e esconderam o que já sabiam a partir das suas investigações internas".

Entrevista do século

Em finais de 1995, uma frase de Diana entrou para a história: "Éramos três neste casamento, isto é demasiado abarrotado". A rainha Isabel "chocada", "em fúria" autorizou o impensável divórcio.

25 anos depois, Charles Spencer denuncia o jornalista que "falsificou provas" — como escutas e falsos extratos bancários de pagamentos a duas pessoas próximas de Diana —, sem as quais "nunca teria apresentado o Bashir à minha irmã".

"Se não fosse por essas provas, nunca teria apresentado o Bashir à minha irmã", escreveu Spencer à BBC. Exige ainda "um pedido de desculpas públicas a todos os que foram enganados", incluindo o público — centenas de milhões de espectadores que viram a entrevista, agora na internet.

A cadeia pública em janeiro de 1996 tinha realizado um inquérito, pouco depois da exclusiva "entrevista do século". Os executivos da BBC "estavam preocupados" pelo facto de que Bashir tinha conseguido "ganhar a confiança da princesa".

Mas concluído o inquérito — que incluiu uma declaração manuscrita de Diana de que os documentos apresentados em nada a influenciaram para aceitar ser entrevistada —, "a ética" e "conduta profissional" do jornalista foram avaliadas como "dentro da norma da BBC", segundo o presidente Tony Hall.

Um quarto de século depois, a série de acusações explosivas de Charles Spencer levou a BBC, órgão de comunicação público, a anunciar que "o juiz John Dyson, reformado do Supremo Tribunal, iria conduzir uma investigação independente".

Filho de Diana

O Palácio de Kensington comunicou a 25 de dezembro que o príncipe William "recebe com satisfação o início da investigação sobre o modo como Bashir obteve a entrevista" com a mãe. Diana faleceu em 1997, aos 36 anos e deixou órfãos William, de 15 anos, e Henry, de 12.

A imprensa londrina refere que o filho primogénito de Carlos de Inglaterra passou os últimos quinze dias em contacto com a BBC, para garantir que a empresa pública de comunicação social iria contratar uma investigação independente — para "estabelecer a verdade", incluindo apurar "o papel de quem estava na cadeia (BBC) e autorizou a entrevista" de Bashir à princesa Diana.


Extorsão

O irmão de Diana acrescentou que a entrevista foi feita sob extorsão, já que Bashir garantiu que eram comprometedores para a própria princesa de Gales os documentos bancários.

Spencer cita a reportagem do Channel 4 como a fonte de informação que o fez saber que eram falsos todos os elementos de prova que Bashir lhe apresentara.

Jornalista de baixa médica, por Covid

Martin Bashir que "a entrevista do século" tornou celebridade internacional, demorou mais de dois meses a reagir à denúncia, porque estava em convalescença "da doença que o atingiu com gravidade".

O período de recobro foi longo porque Bashir teve de ser submetido a uma quádrupla cirurgia de revascularização do miocárdio (músculo que compõe o coração) por ponte de safena aorto-coronária. A operação indicada para aqueles pacientes que têm comprometimento da irrigação cardíaca (isquemia) por obstrução de artérias, com risco de enfarte (morte do músculo cardíaco por falta total de irrigação sanguínea).

O jornalista está entre os 4.462.538 britânicos infetados com Covid-19. O número de óbitos nesta data (segunda-feira, 24) é de 127.721, o segundo mais alto da Europa, depois da França.

Fontes: Reuters/BBC/Daily MailWorldometers/. Relacionado: William de Inglaterra apoia investigação da BBC sobre "entrevista do século à Lady Di", 01.dez.021. Fotos (Getty): A entrevista do século aconteceu mais de dois anos após esta foto de Diana e Carlos de 1993, com os filhos. As fotos oficiais mantinham o ’statu quo’, mas a verdade é que o casal estava separados desde 1992.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project