INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

"Estado da União": Desconfinamento e Médio Oriente 23 Maio 2021

O número de infeções continua a cair por toda a Europa e as campanhas de vacinação avançam. Perante os sinais positivos muitos países europeus relaxaram as restrições retomando alguma normalidade, analisa o Euronews em jeito de balanço da semana finda.

A semana foi contudo marcada pelos eventos ocorridos nas imediações do continente com destaque para o mais recente drama de refugiados no Mediterrâneo e os combates entre Israel e o Hamas.

Segundo a mesma fonte, a escalada de violência no Médio Oriente foi a razão para o encontro de emergência dos chefes da diplomacia europeia que procuram uma solução diplomática para o fim dos combates.

O chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, afirmou que a prioridade era implementar um cessar-fogo antes de se encontrar uma solução política de longo prazo.

"Condenamos os ataques de róquetes pelo Hamas e outros grupos terroristas contra o território israelita. Apoiamos o direito de Israel à defesa, mas consideramos que tal deve ser feito de forma proporcional e respeitando a lei humanitária internacional", afirmou o Alto Representante da UE para Assuntos Externos, Josep Borrell.

As divisões europeias relativamente a Israel e aos Palestinianos foram reveladas depois de Borrell ter admitido que falava apenas em nome de 26 estados-membros, a Hungria foi o único país a não apoiar a declaração europeia.

Durante uma deslocação a Paris, o ministro húngaro dos negócios estrangeiros, Peter Szijjarto, explicou porque razão não gosta das declarações europeias sobre o Médio Oriente.

"Estas declarações são geralmente muito unilaterais, e não ajudam, particularmente nestas circunstâncias, quando as tensões estão elevadas. Penso que é necessária uma abordagem mais inteligente em vez de panfletos políticos e declarações ideologicamente tendenciosas", defendeu o ministro húngaro.

Infelizmente o ministro húngaro não explicou o que significa uma abordagem mais inteligente.

Tudo sugere que o governo húngaro não gostou da menção de vítimas civis na declaração, muitas mulheres e crianças de ambos os lados.

E dado o número muito mais elevado de vítimas palestinianas, a declaração dos 26 estados-membros seria unilateral, segundo o governo húngaro.

Seja como for, a situação explosiva que se vive na região preocupa a comunidade internacional que terá que lidar de novo com este conflito que dura há décadas.

Falámos com o embaixador Dennis Ross, enviado especial para o Médio Oriente durante a presidência de Bill Clinton e conselheiro especial do presidente Barack Obama.

Stefan Grobe, euronews: A última vez que Israel e o Hamas lutaram foi em 2014, durante 50 dias, e desde então nunca mais houve paz verdadeira. Agora já decorreram duas semanas de combates, foi uma surpresa ou isto iria acontecer mais cedo ou mais tarde?

Dennis Ross: "Não acho que tenha sido uma surpresa. Em 2014 o Hamas disparou 4500 róquetes contra Israel no espaço de 52 dias. Desta feita, dispararam quase o mesmo número no espaço de 10 dias. O Hamas usou o tempo desde 2014 para construírem um vasto arsenal mas também redes de túneis. Tudo isto sugere que não foi um acidente, iria acontecer mais cedo ou mais tarde".

SG, euronews: O presidente Biden aumentou a pressão sobre Netanyahu. Eles conhecem-se há décadas, têm uma boa relação pessoal, isso pode ajudar no futuro?

Ross: Penso que o primeiro-ministro Netanyahu compreende que Biden tem um grande empenho pessoal em Israel. Por isso, se por um lado ele está preparado para apoiar Israel, por outro quando ele diz que é preciso parar, então é mesmo preciso parar. São palavras que serão levadas a sério pelo primeiro-ministro.

SG, euronews: Alguns republicanos em Washington apelaram ao Presidente Biden para que abandone as conversações nucleares indiretas com o Irão devido aos combates entre Israel e o Hamas, sugerindo que o Irão está envolvido com o Hamas. É justo?

Ross: O que é justo é dizer que o Irão apoia o Hamas ativamente. Mas estas duas questões estão separadas. Haja ou não um acordo nuclear, os iranianos continuam a fazer o que fazem na região. Penso que o que os EUA têm que fazer é, de certa forma, operar da mesma forma que o Irão. O Irão afirma que o nuclear é uma coisa e o que fazem na região é outra.

SG, euronews: Netanyahu tem tido dificuldades em formar um novo governo. A luta contra o Hamas vai ajudá-lo a nível interno ou vai tornar a sua vida mais difícil?

Ross: Nenhum governo israelita iria aceitar a ideia de que o Hamas pudesse disparar róquetes contra Jerusalém ou Tel Aviv sem que haja resposta, ou alguma forma de dissuasão. Mas Netanyahu não está em posição de formar governo. Não é de excluir que sejam organizadas novas eleições. Depois se verá. A sociedade israelita foi de facto abalada e isso chocou muitos israelitas. Ninguém sabe como o público vai responder uma vez estabelecido um cessar-fogo e é algo que vai ser explorado durante a campanha eleitoral.

Finalmente, se no Médio oriente não se vislumbra a paz, em França e na Europa, a situação está a mudar.

Segundo os planos de desconfinamento, os cafés e restaurantes franceses já podem oferecer serviço no exterior antes da reabertura por completo prevista para 30 de junho.

O presidente Macron foi um dos primeiros a sentar-se no terraço de um café onde se reuniu com o primeiro-ministro, conclui EN.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project