CINEMA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Filme “Cesária Évora” com sete sessões em Cabo Verde 30 Novembro 2022

O filme português “Cesária Évora”, sobre a ‘diva dos pés descalços’, de Ana Sofia Fonseca, vai ser apresentado em dezembro em sete sessões gratuitas em três ilhas de Cabo Verde, anunciou hoje o Governo cabo-verdiano.

Filme “Cesária Évora” com sete sessões em Cabo Verde

“Chegamos a um acordo com a produtora do filme ‘Cesária Évora’. O documentário vai ser exibido em Cabo Verde”, anunciou hoje, na Praia, o ministro da Cultura e Indústrias Criativas, Abraão Vicente.

O filme sobre a cantora (1941-2011), que está nomeado para os prémios da Associação Internacional do Documentário (IDA, sigla em inglês), será apresentado ao ar livre no Centro Nacional de Arte, Artesanato e Design (CNAD) no Mindelo, em São Vicente, com três sessões nos dias 13, 14 e 15 de dezembro.

“Exatamente para que também as pessoas possam conhecer melhor o outro lado da nossa diva”, disse ainda Abraão Vicente.

Segue-se a exibição em Ribeira Grande, ilha de Santo Antão, terra da mãe da cantora, ainda no dia 15, e depois uma sessão no dia 17 e duas no dia 18 de dezembro na Praia, ilha de Santiago, todas no auditório da Assembleia Nacional.

“O Governo já tinha financiado o filme, através do Fundo do Turismo”, recordou o ministro, sobre o documentário que agora chega a Cabo Verde com o “financiamento” do Estado.

Cesária Évora nasceu em 27 de agosto de 1941 e viveu no Mindelo, cidade onde também morreu, em 17 de dezembro de 2011, sendo considerada, com as suas mornas, a cantora de Cabo Verde com maior reconhecimento internacional.

“Cesária Évora”, que conta a história da cantora cabo-verdiana, teve estreia em março no festival South by Southwest, em Austin, nos Estados Unidos, e recebeu, em maio, o prémio do público do IndieLisboa para longa-metragem.

O filme, produzido pela Carrossel Produções, em associação com a Até ao Fim do Mundo, estreou-se nos cinemas portugueses em 27 de outubro. Realizado em Portugal, França e Cabo Verde, tem distribuição mundial pela Cinephil/WestEnd Films.

O impacto da doença bipolar na vida de Cesária Évora é um dos aspetos inéditos do filme que mostra como esta mulher negra e pobre deu a volta ao destino.

O filme “Cesária Évora” está nomeado na categoria de Melhor Documentário de Música festival IDA, na qual competem também três produções norte-americanas (“Louis Armstrong’s Black & Blues”, de Sacha Jenkins, “Moonage Daydream”, de Brett Morgen, e “You’re watching vídeo music box”, de Nasir ‘Nas’ Jones) e uma coprodução entre o Reino Unido e a Irlanda (“Nothing Compares”, de Kathryn Ferguson).

Os vencedores da 38.ª edição dos prémios da IDA são anunciados em 10 de dezembro, numa cerimónia em Los Angeles, nos Estados Unidos.

“Cesária Évora” conta com imagens de arquivo, gravações inéditas e testemunhos de quem privou com ’Cize’, como era conhecida, dos tempos da pobreza ao reconhecimento mundial que chegou depois dos 50 anos e após uma “explosão” de sucesso que começou em França e a levou a dar a volta ao mundo.

Cesária Évora sofreu dois acidentes vasculares cerebrais e o segundo, em 2011, mostrou-lhe que nunca mais poderia cantar. Morreu a 17 de dezembro de 2011.

Ana Sofia Fonseca tomou a decisão de fazer um documentário sobre a vida de Cesária Évora uns dias depois do funeral da cantora, quando se deparou com a tristeza e a solidão que enchia o olhar das pessoas no ‘seu’ Mindelo, ilha de São Vicente.

Apaixonada por Cabo Verde, a jornalista e contadora de histórias lembrou à Lusa, aquando da estreia do filme nas salas portuguesas de cinema, que ’Cize’ “tinha colada à pele um conjunto de preconceitos: mulher, negra, pobre, não é particularmente bonita, vive em África e tem mais de 50 anos quando alcança o sucesso”.

Apesar disso, salientou, Cesária vence e, principalmente, “constrói pontes” e “traz Cabo Verde do meio do Atlântico para o mundo”.

A realizadora, que tem casa no Mindelo, partilhou que “toda a gente em São Vicente tem uma história da Cesária Évora para contar”.

Apaixonada pela voz de ’Cize’, a realizadora debruçou-se essencialmente na pessoa, “uma mulher excecional” que “não se deslumbra com a fama, usa a fama para ajudar os outros”. “Também a si, mas contentava-se com o que tendemos a achar pouca coisa e a julgar como adquirido”, disse.

Ana Sofia Fonseca salientou que Cesária Évora era “feliz tendo uma casa onde albergar a família, um carro para andar, porque tem problemas nos pés, comida e comida para dar aos outros”.

E sublinhou: “É preciso conhecer a mulher para perceber melhor a voz, que nos emociona, arrepia, tanto nos faz acreditar no amor como chorar. Eu quis ir além daquela ideia do veio do nada, conquistou o mundo, manteve-se igual a si própria e era feliz a ajudar os outros. Tudo isso é verdade, mas há muito mais do que isso”.

E deste relato também consta a doença bipolar que afetava a diva dos pés descalços, o que “ajuda melhor a perceber muitas das atitudes da Cesária”.

Para Ana Sofia Fonseca, “isto ajuda a perceber a Cesária, não a define, mas ajuda a perceber algumas coisas da Cesária”, como o isolamento.

Na história de vida de Cesária, a realizadora encontrou “uma mensagem de esperança” - “Não importa muito de onde se vem, mas o que se pode alcançar. Tudo é possível, a vida de qualquer um pode mudar a qualquer instante” -, mas também de uma enorme generosidade - “Na mesa da Cesária havia sempre espaço para todos e ninguém era mais que ninguém”.

A Semana com Lusa

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project