CINEMA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Filmes cabo-verdianos selecionados para festival internacional KUGOMA 19 Julho 2020

Pelo menos três filmes cabo-verdianos serão exibidos, de 24 de Julho a 30 de Agosto, no festival internacional de cinema Kugoma, que é tido como o maior e mais antigo de Moçambique.

Filmes cabo-verdianos selecionados para festival internacional KUGOMA

Segundo uma mota remetida a este jornal, Abel Monteiro, Chissana Magalhães e Mário Vaz Almeida tiveram os seus filmes documentários curtas-metragem - respectivamente "O Amigo da Tartaruga", "Djassi" e "Na Rota do Cinema Africano" - escolhidos para competir na 11ª edição do festival, que este ano acontece de 24 a 30 de Agosto, como sempre em Maputo, Capital de Moçambique.

O documento sublinha que os filmes de Abel Monteiro e Mário Almeida irão competir na categoria African Short Documentary, enquanto que Chissana Magalhães, que está a estrear-se na realização, concorre ao PALOP-TL Upcoming Filmmaker Award.

«’O Amigo da Tartaruga’ foi também seleccionado no ano passado para o festival CineEco Seia em Portugal e para o catálogo da plataforma de streaming Tellas; o filme segue Didi, um jovem que finta o desemprego tornando-se mergulhador-guia turistico, acabando por criar um laço afetivo com as tartarugas. Abel Monteiro, o realizador, conta já com algumas obras no curriculo, mais recentemente foi o vencedor do prémio 100 Anos Amílcar Cabral (criado pela ACACV e Fundação Amílcar Cabral) com a curta Amílcar Cabral, O Presidente Astral», lê-se na nota referida.

Conforme a mesma fonte, "Djassi" foi o segundo galardoado no prémio 100 Anos Amílcar Cabral e estreou em Março na CENA – Mostra de Filmes Realizados por Mulheres. É o primeiro filme da jornalista e escritora Chissana Magalhães, que iniciou carreira a escrever uma coluna sobre cinema e recentemente colaborou na pré-produção do documentário internacional “Woman”.

Já o filme "Na Rota do Cinema Africano" surge na sequência da selecção do realizador Mário Almeida e produtor Yuri Ceunink à 1.ª edição do Ouaga Film Lab, promovida pelo Instituto imagine em Ouagadougou. O documentário, prossegue a fonte deste jornal, parte da afirmação de Gaston Kaboré (cineasta burkinabé) "Africa não pode estar ausente da sua propria imagem" para abordar a opinião de alguns cineastas sobre o "Cinema Africano". Mário Almeida tem um curriculo composto de vários títulos, ficção e documentário, com um prémio do Plateau - Festival Internacional de Cinema o mais recente dos quais o documentário Inimigo Público #1, sobre o massacre de Monte Txota, e que estreou há poucos meses na Televisão Nacional, refere a fonte deste primeiro diário cabo-verdiano em linha.
O nota sublinha que, no festival Kugoma os filmes de Abel Monteiro e Mário Almeida irão competir na categoria African Short Documentary, enquanto que Chissana Magalhães, que está a estrear-se na realização, concorre ao PALOP-TL Upcoming Filmmaker Award.

É de salientar que KUGOMA é o festival de cinema moçambicano mais antigo, integrando exibição de filmes, oficinas, masterclasses, exibições em escolas e ajuda a promover novos realizadores de Moçambique e de África. Este ano o Kugoma introduziu o PALOP-TL Upcoming Filmmaker Award em parceria com a Rede Cinema PALOP – TL.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project