CORREIO DAS ILHAS

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Fogo: “Proposta para asfaltagem de parte da cidade de São Filipe é pacífica e não põe em causa o património” 08 Fevereiro 2021

A proposta da câmara de São Filipe para asfaltagem da parte mais nova da cidade, no quadro do projecto de requalificação do centro histórico, em curso, é pacífica e não põe em causa o seu valor patrimonial.

Fogo: “Proposta para asfaltagem de parte da cidade de São Filipe é pacífica e não põe em causa o património”

Este é o resultado a que chegou a equipa do Instituto de Património Cultural (IPC), chefiada pelo seu presidente, Jair Fernandes, no final de uma visita de dois dias à ilha para analisar com as autoridades municipais, e o empreiteiro responsável pela obra da requalificação da cidade, a problemática de introdução de asfalto.

O presidente do IPC disse à Inforpress que no quadro do projecto de requalificação e por ser um centro histórico classificado como património nacional e constar da lista indicativa de Unesco, que é o primeiro passo para a criação do dossiê para classificação como património da mundial, foram reanalisadas as propostas da autarquia São Filipe.

As propostas, segundo o mesmo, “são pacíficas e inclusive há um total alinhamento” com o princípio de requalificação dos centros históricos.

Na sequência da preocupação colocada pelo primeiro-ministro após a sua visita, disse a mesma fonte, no sentido de preservar de forma integral o núcleo histórico de São Filipe (Bila Baixo) e trazer “um pouco de modernidade” à própria cidade, no que se refere à circulação urbana e tratamento urbano e paisagístico da própria cidade, as propostas de asfaltagem “têm força para se concretizar”.

“Relativamente à introdução de asfalto, estivemos com a câmara municipal e o empreiteiro a percorrer toda a área proposta e consideramos que é pacífica, tendo em conta que são zonas que nasceram, quase na sua maioria, a partir da segunda metade do século passado, e que não tem grandes marcos do ponto de vista patrimonial”, disse Jair Fernandes, apontando as áreas como entrada da cidade para quem vem do aeroporto, acesso ao porto e largo do antigo hospital.

Com relação à Avenida Amílcar Cabral (rua do antigo hospital) que dispõe de algumas marcas artísticas no pavimento, o presidente do IPC disse que está garantido com o empreiteiro a necessidade da sua replicação, através do misto de asfalto com a calçada e introdução de pavês em algumas áreas a pedido dos sanfilipenses, dotando assim a cidade de artérias bem pavimentada e que permitam circulação, seja de carro, seja como pedonal, em segurança.

Além do asfalto, a equipa do IPC analisou a proposta relativa à criação de uma rua pedonal que, segundo o mesmo, seria a zona de transição entre a asfaltada e o núcleo embrionário do centro histórico que está sendo requalificado com calçada com pedras basálticas paralelas.

A criação da rua pedonal seria no Alto de São Pedro, segundo o mesmo, vai ser socializado com a comunidade porque as ruas pedonais têm um impacto forte na própria reorganização urbana, nas actividades que o espaço pode albergar, nomeadamente comércio e lazer, sublinhando que a ideia bem acolhida pelo IPC.

Esta rua pedonal será um misto entre a calçada artística basáltica e alguns troços em pavês, permitindo uma leitura clara desta rua de transição e que sirva como um espaço de revitalização que São Filipe carece, adiantando que está assumido no projecto de que a rua pedonal vai demarcar a transição.

Segundo o responsável do IPC toda a zona do paredão de Alto São Pedro para baixo será de conservação integral, por ser o núcleo embrionário da cidade e a requalificação será em calçada basáltica, e de Alto São Pedro para cima, por ser um núcleo moderno, embora tenha sido identificado alguns edifícios com valor património, mas que no seu conjunto não irá colocar em perigo a utilização de asfalto, será asfaltada.

Todo o Largo de Alto São Pedro, que se estende desde o hotel Savana (sul) até a antiga Casa Dade (norte) até junto do restaurante Coral será transformado na rua pedonal.

Assim, a proposta é para asfaltar a avenida Amílcar Cabral até junto do tribunal, subindo depois pela rua de Las Vegas, pracinha Rodrigo, rua dos TACV até o cruzamento junto da residência de Cezinha de Telecom, descendo até antiga biblioteca municipal, hoje assembleia municipal de São Filipe.

A proposta inicial da câmara previa asfaltagem da avenida Amílcar Cabral, desde o largo de Enacol até a praça do Presidio, passando à frente da Casa das Bandeiras, subindo depois pela rua de Las Vegas, pracinha Rodrigo e rua traseira da escola central, uma área equivalente a dez mil dos 40 mil metros quadrados a serem requalificadas.

Não contemplava a criação do pedonal nem a asfaltagem das ruas de TACV até à residência de Cezinha de Telecom e desta até a antiga biblioteca municipal, o que significa que o diferencial de custos na ordem dos 20 mil contos previsto inicialmente será insuficiente para a realização dos trabalhos. A Semana com Inforpress

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project