REGISTOS

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

França: Confissão "Sou o Bexigoso" serial-killer choca lote de 750 polícias convocados para teste de ADN que nunca suspeitaram do colega em 35 anos 05 Outubro 2021

Os polícias que há décadas trabalharam lado a lado com o "bom profissional e sempre bem-humorado" François Vérove, segundo a edição do ’L’Express’ desta segunda-feira, 4, dizem-se ’em choque’ com a carta-confissão do colega que se suicidou na quarta-feira, 29. Cinco dias depois de constar no lote de 750 polícias convocados para um teste de ADN, o polícia "insuspeito" de 59 anos foi encontrado morto a 300 km da sua casa de Paris e deixou uma carta a confessar que era o "Grêlé/Bexigoso" — o homem com o rosto marcado com cicatrizes — procurado há 35 anos por quatro homicídios hediondos e seis violações cuja vítima mais jovem tinha sete anos.

França: Confissão

Os crimes foram cometidos no centro de Paris, nas proximidades dos locais que como polícia patrulhava, durante um período de treze anos. Na carta, o serial-killer diz que começou em 1983 e terminou "com grande esforço, para se controlar" em 1996.

A carta-confissão — decerto pressionada pela convocatória para se apresentar a 29-09 — ajudou a resolver um dos mais antigos cold-cases da justiça francesa. O nome do serial-killer foi publicado na sexta-feira, 01, pela BBC — e não pelos media franceses, de acordo com as leis nacionais.

A persistente investigação de 35 anos andou às voltas, mas tem tudo para deixar de ser um cold-case, crime sem autor. Só falta que a totalidade dos exames comprove a verdade da confissão contida na carta do suicida.

Em 1986, a investigação concluiu estar perante um serial-killer. E durante os anos seguintes até 1994, a região de Paris aterrorizada só se sabia o que o modus operandi em quatro homicídios revelara: tinham sido cometidos por um único assassino. A investigação policial tinha disso a certeza.

Entre arquivamentos e reativações, o caso esteve sempre presente até pelo retrato-robô (fotos) afixado na parede do gabinete de investigação. Até que há duas semanas o comissário-chefe da Brigada Anti-Crime de Paris anunciou: "Reativámos o nosso dossier mais antigo e vamos identificar o violador e assassino em série, vivo ou morto".

Os resultados dos exames ADN até hoje (segunda-feira, 04) estão a confirmar a confissão de Vérove, segundo noticiam a France 24 e a BBC Radio, esta desde a manhã de sexta-feira, dois dias depois da revelação que resolverá um dos mais famosos casos arquivados em França.

O primeiro retrato-robô do "Grêlé/Bexigoso — de rosto com cicatrizes deixadas pela varíola, vulgo sarampelo ou bexigas/bexigas doidas" — está afixado no gabinete da BIC-Paris desde 1986, ano do homicídio de Cécile de onze anos, a caminho da escola. Em 1987, o duplo homicídio, em casa dos Polliti, de Irmgard de 20 anos e de Gilles de 38 anos, o pai das crianças que a au-pair alemã cuidava. Em 1994, dá-se o quarto homicídio: Karine, 19 anos, a caminho do liceu.

Nos anos seguintes o retrato-robô do serial-killer" afixado na parede do Quai des Orfèvres, sede da BIC-Paris, foi objeto de atualizações, a última em 2015 (fotos). Durante mais de trinta anos, o retratado trabalhou como polícia na mesma área de Paris. Inacreditável?!

Carta e ADN

Segundo o diário Midi Libre, a carta foi encontrada junto com o morto — que se suicidou com medicamentos, segundo a polícia — num apartamento arrendado em Grau-du-Roi, perto de Montpellier, 300 km a sul de Paris. A polícia chegou lá, após a esposa de Vérove comunicar o desaparecimento do marido.

Segundo o Le Parisien, o assassino escreve que na altura dos crimes "estava de mal com a vida", mas que desde 1997 tinha conseguido "com grande esforço", "controlar(-se)".

A investigação de 35 anos andou às voltas, mas agora só falta que a totalidade dos exames comprove a verdade da confissão contida na carta do serial-killer ao ver aproximar-se o cerco policial, dos guardiães da lei e ordem republicanas de que se afastou em 1983. Um polícia fora da lei obrigado a desmascarar-se 38 anos depois.

Erros de investigação, cold-cases

Além do caso "Grêlé/Bexigoso cujo desfecho está a ser saudado em França, há outros crimes por resolver há décadas e que os franceses não esquecem Entre eles, o "caso Grégory": o corpo do menino de quatro anos desaparecido a 16 de outubro de 1984 foi encontrado no rio local em 07 de novembro.

A polícia nunca conseguiu saber quem matou Grégory, mas sempre suspeitou de uma "atroz conspiração familiar" movida pela vingança contra uma alegada tirania do pai da vítima, Jean Villemin, que se comportaria como "o chefe da aldeia gaulesa", tipo Vercingetorix.

A polícia identificou como principal suspeito Bernard Laroche, tio da vítima. Villemin, pai de Grégory, foi condenado à pena perpétua por ter feito "justiça própria", como o próprio "avisou" as autoridades.

Mas também a mãe da criança, Christine Villemin, esteve onze dias detida como suspeita, dadas as incongruências nos sucessivos depoimentos.

Outros suspeitos, de cumplicidade são Marie-Ange, a esposa de Laroche e a irmã dela, Murielle de 15 anos, os tios dele, Marcel e Jacqueline Jacob.

O Caso Grégory teve entre outras vítimas indiretas, o procurador Jean-Michel Lambert — autor em 2014 de um livro a fazer mea culpa sobre os erros de investigação ao longo de trinta anos — que acabou por se suicidar em julho de 2017.

ADN tramou outro polícia serial-killer nos EUA

O polícia Joseph DeAngelo, identificado através do ADN como o ’Golden State Killer’ em 2018, aos 72 anos usou os conhecimentos da profissão para durante mais de quarenta anos escapar à lei de que era um dos guardiães.

Só escapou à cadeira elétrica por ter confessado os crimes. O tribunal da Califórnia comutou-lhe a pena em prisão perpétua.

Segundo a confissão negociada, o ’Golden State Killer’ entre 1975 e 1986 assassinou pelo menos treze pessoas, violou cinquenta mulheres entre os 13 e os 41 anos e fez assaltos com roubo a mais de uma centena de casas (ADN tramou serial-killers dos EUA e China: Igual horror, sentenças diferentes, 24.ago.020)
— -
Fontes: BBC/Le Figaro/ Paris Match/DW... Fotos: Os retratos-robô do "Grêlé/Bexigoso o serial-killer". A investigação iniciada em 1986 teve arquivamentos e reativações. A confissão de 29-09 dará término a um dos mais antigos cold-cases da justiça francesa.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project