INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Furacão Ida pode ser o mais caro da história, admite a ONU 01 Setembro 2021

O furacão Ida, que varreu o estado norte-americano do Luisiana no passado fim de semana, pode revelar-se o desastre climático mais caro da história, indicou hoje a ONU, saudando as medidas preventivas que reduziram o número de vítimas. O Ida matou menos de meia dúzia de pessoas, segundo um balanço provisório das autoridades norte-americanas, mas danificou gravemente a rede elétrica.

Furacão Ida pode ser o mais caro da história, admite a ONU

A informação foi avançada numa conferencia de imprensa esta quarta-feira, pelo secretário-geral da Organização Meteorológica Mundial (OMM), Petteri Taalas.

"Muitas vezes o impacto económico só é sentido após o evento e é o que acontecerá provavelmente neste caso, porque vimos grandes danos na rede elétrica do Luisiana, há probabilidades de o custo económico ser maior do que o do Katrina", indicou Petteri Taalas, sublinhando, contudo, que a avaliação do impacto continua a ser feita.

O furacão Ida, que passou na segunda-feira a depressão tropical, causou inundações, apagões e bloqueios de estradas, deixou áreas completamente isoladas e destruiu várias infraestruturas.

"Não sabemos quanto vai custar no final", vai depender principalmente do regresso da eletricidade, explicou Taalas, prevendo que dentro de um mês haverá uma estimativa do custo final.

O Katrina inundou Nova Orleans em setembro de 2005, causando oficialmente 1.800 mortos e prejuízos de 163,6 mil milhões de dólares (138,4 mil milhões de euros), segundo uma estimativa da OMM divulgada hoje no seu Atlas, que lista o número de mortes e perdas económicas devido aos fenómenos meteorológicos extremos, climáticos e hidrológicos, de 1970 a 2019.

Aquele montante torna o Katrina o desastre climático mais caro da história, seguido pelos furacões Harvey e Maria, que atingiram os Estados Unidos em 2017, com um custo respetivamente de 96,9 e 69,4 mil milhões de dólares (82 e 58,7 mil milhões de euros).

Mami Mizutori, que dirige a agência da ONU para a redução dos riscos de catástrofes (UNDRR), sublinhou que o mundo "multirriscos" em que vivemos "mostra a necessidade de investir mais na redução dos riscos das catástrofes, na prevenção".

O Ida, segundo a responsável, ilustra perfeitamente o que as autoridades devem fazer.

"As perdas económicas serão elevadas, mas a boa notícia é que no caso do Ida, que ocorreu durante o aniversário do Katrina, o número de mortos é muito, muito baixo", sublinhou Mizutori.

"O que fez a diferença desta vez é que a cidade (de Nova Orleans) desenvolveu um novo sistema de redução de riscos ligados aos furacões e às tempestades e investiu 14,5 mil milhões de dólares (12,2 mil milhões de euros) em dispositivos anti-inundação e diques", insistiu.

Segundo Taalas, devido às mudanças climáticas, as chuvas são mais intensas e os furacões deslocam-se mais lentamente, tornando as inundações mais graves.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project