ECONOMIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Furto de Energia: Mais de 45% da energia distribuída em Palmarejo, Palmarejo Grande e Monte não é faturada 16 Dezembro 2021

Mais de 45% da energia distribuída nas zonas de Palmarejo, Palmarejo Grande e Monte Vermelho, na cidade da Praia, não é faturada, conforme informações avançadas à Inforpress pela Electra.

Furto de Energia: Mais de 45% da energia distribuída em Palmarejo, Palmarejo Grande e Monte não é faturada

De acordo com o supervisor técnico da Unidade de Combate às Perdas e Dívidas, o engenheiro Avelino Varela, os dados mostram que no primeiro trimestre de 2021 a empresa perdeu 2,5 gigawatts hora de energia nesse grupo de zonas.

Em termos de percentagem, a situação é pior na zona de Eugénio Lima, em que apenas 19% da energia colocada na rede é faturada, com os 81% a resultar em perdas advenientes dos furtos e fraudes.

“É uma situação complicada. Eugénio Lima é uma zona com muitos prédios e com muito comércio”, disse adiantando, entretanto, que as perdas da zona de Eugénio Lima em termos quantidade, é de longe inferior às verificadas no agrupamento Palmarejo, Palmarejo Grande e Monte Vermelho.

“Nesse agrupamento, perdemos 2,5 gigawatts hora de energia, durante o primeiro trimestre de ano de 2021, enquanto que Eugénio Lima foi à volta de 1,1 gigawatts hora”, precisou.

Avelino Varela adiantou que desde o início da criação da Unidade na Electra até agora já foram autuados 124 locais de consumo na zona de Cidadela, ou seja, 124 prédios de Cidadela que já foram apanhados situação roubo, o que na perspetiva o que demonstra que são pessoas de posse e com possibilidade pagar energia é que estão a fazer ligações clandestinas.

“As pessoas que moram na Cidadela são pessoas com condições económicas para pagar o seu consumo. Estão na classe daqueles que podem e não pagam. A nossa segmentação está dividida da seguinte maneira: quem pode pagar e que não paga, quem pode pagar e paga, quem quer pagar não e não pode pagar”, explicou.

“Essas autuadas são pessoas que querem viver com exteriorização de poder, mas que não querem cumprir com aquilo que são as suas obrigações”, disse adiantando que no Palmarejo, considerada zona nobre da cidade da Praia, já foram autuados 686 local de consumo por prática de furtos e fraudes, entre os quais apartamentos em grandes prédios residenciais e espaços comerciais.

No “Plateau”, indicou que 45 locais de consumo foram detetados em situação irregular e entre Prainha e Quebra Canela um total de 13 locais foi também apanhado em situação de furto e fraude de energia.

Aquele responsável salientou que a maioria das avarias e interrupções de energia na Praia está relacionada com as ligações clandestinas nas redes que fazem com que haja sobrecarga e curto circuito que provocam a queda no fornecimento.

Só na ilha de Santiago, adiantou que as perdas relacionadas com furtos e fraudes de energia ultrapassam 30%, ou seja, mais de um terço da produção não é faturada e ainda a empresa tem de arcar com os custos para reparação dos equipamentos que são danificados na prática do crime.

“Portanto, posso dizer que as consequências dos furtos e da fraude acabam, por retirar à Electra capacidade de melhoria dos serviços. A Electra precisa de uma trégua a nível de roubo. As pessoas precisam deixar de roubar para dar tempo e espaço para que a empresa possa preparar economicamente, tecnicamente, para dar respostas melhores as solicitações dos utentes”, realçou.

Salienta que, além de representar perdas económicas, os furtos e fraude de energia tipificados como crimes em Cabo Verde, colocam em causa questão de segurança e a da continuidade do fornecimento de energia. A Semana com Inforpress

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project