DESPORTO

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Futebolista Cevher Toktas confessa ter asfixiado filho hospitalizado — "Morte por causas naturais", lê-se na certidão de óbito 13 Maio 2020

O crime de que ninguém suspeitou ocorreu a 23 de abril no hospital onde o futebolista Cevher Toktas, de 32 anos, estava internado com o filho de cinco anos devido a um quadro de Covid-19. Na última segunda-feira, 11 dias depois do enterro, com a certidão de óbito a atestar ’causas naturais’ , o defesa-central do “Bursa Yildirim Spor”, clube primodivisionário, entregou-se na esquadra.

Futebolista Cevher Toktas confessa ter asfixiado filho  hospitalizado —

“Pressionei uma almofada contra o meu filho, que estava deitado de costas. Durante 15 minutos pressionei a almofada sem nunca a levantar. O meu filho lutou durante todo esse tempo. Depois de parar de se mexer, levantei a almofada e gritei por ajuda para desviar qualquer suspeita sobre mim”, descreveu o futebolista.

Segundo Toktas confessou à polícia, o filho entrou no hospital pediátrico de Ancara, duas semanas antes, com febre e dificuldades respiratórias, que são sintomas do coronavírus. Por isso, os médicos decidiram colocar o menino em quarentena com o pai.

No mesmo dia, depois do alerta do pai — que conseguiu desviar as suspeitas de si —, o rapazinho morreu na UCI-unidade de cuidados intensivos, duas horas depois de aí ter entrado.

As autoridades determinaram que o óbito tinha ocorrido por causa natural. A certidão de óbito não regista como causa da morte nem as "dificuldades respiratórias", sintoma da doença do coronavírus, nem tão-pouco a "Covid-19".

Os casos de Covid-19 na Turquia registados hoje (4ª fª, 13) são: 141.475 infeções e 3.894 óbitos. A doença tem estado presente entre as diversas modalidades — quatro basquetebolistas do Fenerbahçe Beko, futebolistas e treinador do Galatasary, que fez manchetes ao ser hospitalizado em fins de março. Fatih Terim venceu a doença e o último teste a 15 de abril deu-o como curado.

Motivo? "Não o amava"

A única explicação que Cevher Toktas — que afirmou não sofrer de "problemas de saúde mental" — deu para esse hediondo crime foi : "Não o amava", "a única razão é que nunca o tinha amado", segundo a imprensa turca, que cita elementos da confissão.

As autoridades turcas já ordenaram a exumação do corpo da criança, com vista à realização da autópsia.

O crime cometido por este homem de 32 anos é, de acordo com a lei da Turquia, punível com a pena de prisão perpétua.

Fontes: Hurriyet Daily News/Worldometers. Foto (Facebook)11 dias depois do enterro, com a certidão de óbito a atestar ’causas naturais’, o defesa-central do “Bursa Yildirim Spor”, clube primodivisionário, entrou na esquadra para confessar ter asfixiado o filho na cama do hospital durante 15 minutos.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project